Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo WTI fecha com alta de mais de US$ 2 em N.York

Nova York, 21 jul (EFE) - O barril de Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou hoje com alta de mais de US$ 2, novamente acima dos US$ 131, em Nova York, entre expectativas de que a tempestade tropical Dolly se transforme em furacão nas próximas horas.

EFE |

Ao fim do pregão na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de WTI para entrega em agosto subiam US$ 2,16 (1,7%), até US$ 131,04 o barril (159 litros).

O valor deste tipo de petróleo tinha caído nos quatro pregões anteriores e acumulou uma queda de US$ 16,2 (11%) na semana passada, após ter tocado na segunda-feira um recorde histórico de US$ 147,27 por barril.

Os contratos de gasolina para entrega em agosto finalizaram o pregão a US$ 3,2171 o galão (3,78 litros), após somar US$ 0,04 ao preço anterior.

O gasóleo para entrega nesse mês registrou uma alta similar e terminou a US$ 3,7479 por galão.

Os contratos de gás natural para agosto ficaram em US$ 10,51 por mil pés cúbicos, após cair US$ 0,06 frente ao preço de sexta-feira.

O Serviço Nacional de Meteorologia emitiu hoje um aviso de furacão para uma parte do litoral do estado do Texas em previsão de que a tempestade tropical "Dolly" ganhe intensidade nas próximas horas.

A presença de fortes tempestades ou ciclones no Golfo do México gera imediatamente inquietação no mercado petroleiro, pelos prejuízos que pode causar à produção de petróleo e de gás no Golfo do México e às atividades das refinarias nessa região.

Os operadores nova-iorquinos também ficam atentos às relações entre a comunidade internacional e o Irã, depois que, na reunião deste fim de semana em Genebra, não houve resultados concretos para a suspensão, por parte das autoridades de Teerã, das atividades de enriquecimento de urânio.

O encarecimento do petróleo e dos combustíveis coincidiu hoje também com um enfraquecimento do dólar em seus câmbios com o euro e outras divisas, o que barateia as compras de petróleo com moedas fortalecidas perante a divisa americana. EFE vm/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG