SÃO PAULO - A queda dos estoques americanos de petróleo na última semana, que confirmou as expectativas do mercado, justificou mais um dia de alta para a cotações futuras do petróleo hoje. A preocupação dos agentes aumentou pois a queda das reservas foi bem maior do que o estimado.

O contrato de WTI negociado para o mês de setembro em Nova York fechou com alta de US$ 0,45, para US$ 114,98. O vencimento para outubro terminou cotado a US$ 115,56, com elevação de US$ 1,02. Em Londres, o barril de Brent para outubro avançou US$ 1,11, para US$ 114,36. O vencimento para o mês seguinte fechou a US$ 115,73, com valorização de US$ 1,18.

Conforme relatório divulgado hoje pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos, a queda dos estoques de gasolina foi de 6,2 milhões de barris. O mercado esperava um retração equivalente a metade desse volume.

Ainda assim, as reservas de óleo aumentaram em 9,4 milhões de barris, o maior incremento desde março de 2001. Os níveis de destilados tiveram acréscimo mais modesto, de 500 mil barris, para 132,1 milhões de barris.

A avaliação dos analistas é de que a menor demanda nos EUA, devido ao baixo crescimento econômico, está levando as refinarias a produzir muito menos, o que não mantém os estoques de combustíveis abastecidos. O uso da capacidade nas refinarias caiu de 85,9% para 85,7% na semana em análise.

Os agentes também levaram em conta nesta jornada a a tensão ainda presente entre Rússia e Georgia e o fato de o contrato mais curto no mercado americano ter expirado hoje.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.