Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe, sustentado por decisão da Opep

Os contratos futuros do petróleo, negociados no mercado internacional, operam em alta hoje, sustentados pela decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de reduzir a produção diária de petróleo em 520 mil barris, anunciada ontem à noite.

Agência Estado |

 

Acordo Ortográfico Segundo a Opep, a redução na produção foi uma decisão tomada como parte de um amplo movimento para trazer a produção para as metas oficiais, a fim de equilibrar as condições de oferta excessiva de petróleo nos mercados globais.

A Opep advertiu os membros para que voltem a produzir dentro da cota de 28,8 milhões de barris ao dia a partir da cota anterior de 29,67 milhões de barris.

"A decisão da Opep é um sinal de que se os preços do petróleo caírem para ou abaixo de US$ 100 o barril, o cartel tomará uma providência", afirmou o estrategista-chefe para commodities do Saxo Bank, Serge Laureau. Mas a Opep terá de gritar alto, acrescentou o estrategista, já que o sentimento negativo do mercado irá puxar os preços para baixo e o petróleo testará os US$ 100 o barril.

Por volta das 10h30 (de Brasília), o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em outubro subia 0,66% a US$ 103,94 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). No mesmo horário, em Londres, o contrato do petróleo tipo Brent com mesmo vencimento avançava 0,58% a US$ 100,92 o barril.

O movimento de alta da matéria-prima (commodity) foi limitado mais cedo pelo corte nas expectativas de demanda de petróleo feito pela Agência Internacional de Energia (AIE) em suas projeções para 2008 e 2009, citando as fracas perspectivas para o desempenho da economia dos Estados Unidos. O comentário da AIE sobre demanda "compôs o sentimento baixista do mercado", observou um operador.

Além disso, o mercado olha também para os relatórios dos estoques de petróleo e derivados nos EUA, que serão divulgados às 11h35 (de Brasília). As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre a Opep

Leia tudo sobre: opeppetroleopetróleo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG