Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe mais de dois dólares, influenciado por reunião da Opep

Os preços do petróleo continuaram sua recuperação nesta segunda-feira, num mercado que já antecipa uma redução de mais de um milhão de barris diários na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) até o final da semana.

AFP |

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril de West Texas Intermediate (designação do "light sweet crude" negociado nos EUA) para entrega em novembro fechou cotado a US$ 74,25, uma alta de US$ 2,40 em relação a sexta-feira.

Em Londres, o barril de Brent para entrega em dezembro ganhou US$ 2,43 dólares, encerrando a US$ 72,03.

Após ter caído abaixo dos US$ 70 na semana passada - pela primeira vez desde agosto de 2007 - e recuperado dois dólares na sexta-feira, os preços confirmaram a tendência de recuperação.

"Está bastante claro, a ameaça de uma redução da produção da Opep em sua reunião" elevou os preços, explicou James Williams, da WRTG Energy, referindo-se à Opep.

O cartel petroleiro convocou uma reunião de emergência em Viena para sexta-feira, após a vertiginosa queda dos preços, que perderam mais da metade de seu valor em comparação ao recorde alcançado em julho (US$ 147).

"Os operadores temiam que os apelos por uma redução da produção se fortalecessem, e tiveram razão", estimou Mike Fitzpatrick, da MF Global.

No sábado, o ministro de Energia argelino e presidente em exercício da Opep Chakib Khelil declarou que "haverá uma redução da produção" que deve ser "importante".

"Se a redução da produção de petróleo tiver que ser de 1,5 milhão de barris diários, será de 1,5 milhão de barris, se tiver que ser de 2 milhões de barris diarios, então será de 2 milhões de barris", indicou Khelil.

O representante do Irã na Opep disse que o cartel também pode decidir por uma redução de pelo menos um milhão de barris diários "em uma primeira etapa".

A Líbia, por sua vez, declarou-se favorável a uma redução de mais de um milhão de barris diários. A Arábia Saudita, líder de fato do cartel, não divulgou sua posição a respeito da redução.

Leia tudo sobre: petroleo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG