Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe mais de cinco dólares, após novo teste de mísseis iranianos

Os preços do barril de petróleo ganharam mais de cinco dólares nesta quinta-feira em Nova York, depois que um novo teste com mísseis de longo alcance por parte do Irã reavivou os temores sobre uma eventual perturbação do abastecimento no Golfo em caso de conflito armado entre Teerã e Israel.

AFP |

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril de "light sweet crude" para entrega em agosto subiu 5,60 dólares em relação ao fechamento de quarta-feira, encerrando a sessão cotado a 141,65 dólares.

Em Londres, o barril do tipo Brent do mar do Norte para entrega em agosto aumentou 5,45 dólares, fechando a 142,03 dólares.

Os mercados petroleiros dispararam nos primeiros minutos da sessão oficial, realizando compras devido a novas tensões no Oriente Médio.

Essas tensões deram uma nova oportunidade para que os investidores se voltassem para o mercado, segundo John Kilduff, da MF Global. "Estamos de volta no caminho em direção aos 150 dólares", sentenciou.

O Irã, quarto maior produtor mundial de petróleo, parece ter disparado um novo míssil nesta quinta-feira, informou à AFP um alto funcionário do departamento americano da Defesa. A fonte, que pediu o anonimato, afirmou que os Estados Unidoshaviam detectado na quarta-feira o lançamento de sete mísseis, entre os quais um Shahab-3, capaz de alcançar Israel.

"Parece que houve um disparo de míssil hoje (quinta), mas pode ter sido também um lançamento suspenso na véspera, que os iranianos realizaram hoje", explicou.

A Agência Internacional de Energia (AIE), que defende os interesses dos países industrializados, aumentou pela primeira vez em seis meses suas previsões de consumo mundial em 80.000 barris por dia, a 86,9 milhões de barris diários em 2008.

Enquanto isso, as reservas permanecem escassas. O departamento de Energia dos EUA anunciou na última sexta-feira uma forte diminuição dos estoques de cru do país, ao mesmo tempo em que as reservas dos países desenvolvidos da OCDE equivalem hoje à metade de seu nível habitual para este período do ano, segundo a AIE.

lo/ap

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG