Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe, com plano dos EUA para ajudar mercados

Os contratos futuros de petróleo, negociados no mercado internacional, operam em alta superior a 2%, impulsionados pela perspectiva de sucesso dos planos do governo dos Estados Unidos para tranqüilizar os mercados financeiros. Entre essas medidas, estão a compra de ativos podres das instituições financeiras e a suspensão temporária das vendas a descoberto de ações do setor financeiro.

Agência Estado |

Por volta das 11h55 (de Brasília), os contratos do petróleo tipo WTI com vencimento em outubro subiam 2,83%, para US$ 100,65 o barril, na sessão regular da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). Em Londres, o contrato futuro do petróleo tipo Brent com vencimento em novembro tinham alta de 2,21% a US$ 97,29 o barril.

Os investidores do mercado de petróleo acreditam que os esforços do governo dos EUA podem eventualmente impedir uma queda na demanda pela matéria-prima (commodity) na Europa e nos países emergentes, como ocorre atualmente nos EUA. A demanda por produtos de petróleo nos EUA recuou 4,4%, de acordo com dados recentes divulgados pelo Departamento de Energia dos EUA (DOE), com a queda se estendendo para a gasolina e outros combustíveis.

As novas políticas também podem atrair investidores que migraram em busca de ativos mais seguros, como o ouro, de volta para os mercados de energia e ações, segundo Simon Wardell, analista de petróleo da Global Insight. "Apesar da poeira ter baixado, a volatilidade continua", ponderou.

Os investidores também acompanham a situação da oferta da commodity, dado que a maior parte da produção de petróleo no Golfo do México continua suspensa uma semana após o Furacão Ike ter passado pela região, apesar das refinarias no litoral retomarem lentamente as operações. "O fato é que a oferta está apertada", resumiu Addison Armstrong, analista da Tradition Energy. "Ainda temos uma quantidade insuficiente de capacidade ociosa para assegurar oferta adequada no caso de um grande evento retirar petróleo do mercado." As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG