Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe com expectativa de novo pacote dos EUA

Os preços futuros do petróleo terminaram em alta, com recuperação parcial ante perdas significativas na sessão anterior, em meio a esperanças renovadas sobre a elaboração de um novo plano de resgate pelos EUA. O petróleo também acompanhou o movimento dos mercados de ações e da maioria das demais commodities, com investidores chegando a conclusão que o declínio generalizado nos mercados ontem pode ter sido exagerado.

Agência Estado |

"As pessoas estão comprando em um mercado sobrevendido", disse Mark Waggoner, presidente da Excel Futures.

Os futuros do petróleo com vencimento em novembro negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) subiram US$ 4,27, ou 4,43%, para US$ 100,64 por barril, com máxima de US$ 102,46 e mínima de US$ 93,36. Em Londres, o petróleo tipo Brent negociado na ICE Futures avançou US$ 4,19, ou 4,45%, para US$ 98,17 o barril, com mínima de US$ 91,10 e máxima de US$ 98,93.

Ontem os preços do petróleo caíram US$ 10,52 com receios de o veto da Câmara dos Representantes dos EUA ao pacote do governo levar à deterioração da economia e a uma conseqüente redução na demanda.

Hoje o índice Dow Jones subiu mais de 4%, recuperando muito mais da metade das perdas registradas na sessão anterior. O ouro, que havia desempenhado o papel de proteção contra a onda de pânico em Wall Street ontem, recuou 1,52% nesta terça-feira.

No mercado de petróleo, o volume era limitado apesar da variação relativamente ampla nos preços. Alguns investidores evitaram assumir um grande número de posições no mercado de futuros do petróleo por conta do aperto mais vigoroso nos mercados de crédito nas últimas semanas. "O mercado, na minha opinião, está um pouco enfraquecido", disse Tony Rosado, corretor da GA Global Markets.

Operadores também aguardavam a divulgação dos dados sobre os estoques comerciais dos EUA de petróleo e combustíveis derivados. As reservas de gasolina estão bastante abaixo da média dos últimos cinco anos, refletindo a interrupção da produção nas refinarias do Texas durante a passagem do furacão Ike no início do mês.

Analistas esperam um aumento de 3,4 milhões de barris para os estoques de petróleo, queda de 1,7 milhão de barris para as reservas de gasolina e declínio de 800 mil barris para os estoques de destilados - categoria que inclui o óleo diesel e o óleo para aquecimento. A taxa de uso de refinarias deve saltar 5,1 pontos percentuais. Os números serão divulgados amanhã às 11h35 (de Brasília). As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG