Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe com expectativa de corte pela Opep

Os contratos futuros de petróleo, negociados no mercado internacional, operam em alta na manha de hoje, tanto em Londres quanto em Nova York, ajudados pela recuperação das bolsas européias e pela expectativa de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) irá cortar a produção em sua próxima reunião, na semana que vem. Por volta das 8h50 (de Brasília), o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em novembro subia 0,80% a US$ 70,40 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).

Agência Estado |

Em Londres, o contrato futuro do petróleo tipo Brent com vencimento em dezembro avançava 0,43% a US$ 68,13 o barril.

Porém, muitos participantes sugeriram que essa recuperação da matéria-prima (commodity) não terá vida longa. "O sentimento geral continua negativo, porque os investidores ainda estão preocupados com a possibilidade de forte desaceleração da demanda por energia por causa do esfriamento da economia global", disse o analista Nimit Khamar, da Sucden Research em Londres. Analistas alertam que mais quedas dos preços do petróleo podem ocorrer em breve, porque o sentimento negativo, o medo de recessão e a incerteza nos mercados acionários deverão manter a commodity sob pressão.

No entanto, os preços hoje são ajudados pela decisão da Opep de antecipar sua reunião de emergência de 18 de novembro para 24 de outubro. Muitos participantes interpretaram isso como um sinal de que o cartel vai cortar a produção de petróleo, em um esforço para conter a queda das cotações da commodity.

"A volatilidade ainda está elevada, mas, com a antecipação da reunião da Opep, eu acredito que estejamos perto do ponto mais baixo dos preços", disse o diretor-gerente da consultoria suíça Petromatrix, Olivier Jakob. Segundo ele, se a Opep vier realmente a cortar a produção na próxima sexta-feira, os preços deverão se movimentar mais perto de um nível justo entre US$ 60 e US$ 70 o barril. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG