Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe com ataque na Nigéria

Os contratos futuros do petróleo, negociados no mercado internacional, operam em alta hoje, sustentados pela confirmação da petrolífera Royal Dutch Shell de que parte de sua produção está suspensa na Nigéria, em conseqüência de ataques de grupos militantes. Porém, operadores não apostam em uma alta expressiva da matéria-prima (commodity), citando que a perspectiva de queda na demanda continua limitando as compras.

Agência Estado |

"Ainda temos notícias capazes de sustentar os preços, como bombas em oleodutos na Nigéria, tempestades e furacões tropicais e uma disputa pendente sobre o programa nuclear do Irã, mas todos estes fatores parecem frágeis em relação às perspectivas de retração na demanda, por conta da alta dos preços da commodity", disse um operador.

Às 10h15 (de Brasília), o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em setembro subia 1,06% a US$ 124,57 o barril na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). No mesmo horário, em Londres, o contrato futuro do petróleo tipo Brent com mesmo vencimento avançava 0,95% para US$ 125,70 o barril.

A Shell disse que sua produção de petróleo na Nigéria foi prejudicada após interrupção no fluxo do oleoduto Nembe Creek capaz de transportar 130 mil barris ao dia, atingido por ataque de militantes. O grupo militante Movimento para Emancipação do Delta do Níger (Mend, em inglês), assumiu a responsabilidade do ataque. A Shell disse estar investigando o relato de um segundo ataque. O Mend alertou que pretende conduzir outros ataques este mês.

"Acredito que o mercado está focado na demanda e em questões macroeconômicas, mas é preciso que haja queda de 20% no preço das máximas para que o mercado se torne baixista, portanto, não chegamos lá ainda", disse um operador em Londres. Ele afirmou que o movimento de alta dos preços desta manhã é uma correção do excesso de vendas da semana passada, quando o barril do petróleo caiu ao menor nível em dois meses.

Agenda

Considerando que as preocupações do mercado estão voltadas para a demanda, os investidores devem ficar de olho nos vários indicadores econômicos que serão divulgados ao longo desta semana nos Estados Unidos, entre os quais estão o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre e o relatório do mercado de trabalho de julho. Hoje, saem os indicadores de atividade do Fed de Dallas, às 11h30 (de Brasília), e do Fed de Chicago, às 13 horas (de Brasília). As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG