Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe com alerta da AIE sobre oferta

Os contratos futuros de petróleo operam em alta acentuada hoje, tanto em Londres quanto em Nova York, impulsionados pelas preocupações com a oferta futura da matéria-prima (commodity) e pela queda do dólar em relação a outras moedas estrangeiras. Os temores sobre a oferta foram alimentados pelo relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), que previu que a oferta mundial irá se contrair mais que o esperado nos próximos cinco anos.

Agência Estado |

"O crescimento estrutural da demanda nos países desenvolvidos e persistentes restrições de oferta continuam pintando um cenário de mercado apertado", disse a AIE no relatório de médio prazo.

Às 9h38 (de Brasília), o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em agosto subia 1,79%, a US$ 142,50 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). Na plataforma ICE, em Londres, o contrato futuro do petróleo tipo Brent com mesmo vencimento avançava 2,12%, a US$ 142,80 o barril.

Embora a AIE tenha previsto que a produção de petróleo terá dificuldades para crescer, a agência também alertou que a demanda por petróleo nas economias industrializadas será reduzida pelos preços elevados da matéria-prima. "Acredito que as pessoas irão tirar do relatório o que quiserem ver e comprar os contratos de qualquer forma", disse um operador em Londres.

O dólar fraco em relação a outras moedas também dá suporte à elevação do petróleo e a expectativa é de que a divisa ganhe mais atenção antes da decisão de juro do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira (dia 3). Atualmente, a taxa básica de juros na zona do euro (15 países europeus que compartilham a moeda) está em 4% ao ano.

Além disso, as preocupações geopolíticas seguem como pano de fundo para os negócios, em meio ao aumento das tensões no Oriente Médio, disse o analista da Sucden Research, Andrey Kryuchenkov. Os mercados estão sensíveis a qualquer sinal de conflito na região que possa interromper o fluxo de petróleo. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG