Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo sobe a US$ 97,88, mas turbulência limita alta

Os preços futuros do petróleo terminaram em alta pelo segundo dia consecutivo diante da desvalorização do dólar, mas a turbulência nos mercados financeiros limitou a alta da commodity. Os contratos do petróleo com vencimento em outubro negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) subiram US$ 0,72, ou 0,74%, para US$ 97,88 o barril.

Agência Estado |

Incluindo as transações do sistema eletrônico da plataforma Globex, a mínima foi de US$ 95,73 e a máxima de US$ 102,24.

Na ICE Futures, em Londres, o contrato futuro de petróleo tipo Brent com vencimento em novembro avançou US$ 0,35, ou 0,36%, para US$ 95,19 o barril, com mínima de US$ 93,29 e máxima de US$ 99,69.

As movimentações nos mercados financeiros mundiais foram as condutoras do petróleo, que avançou após o Federal Reserve (Fed, banco central americano) elevar a quantidade de dólares disponíveis para os bancos centrais, medida que pressionou o dólar para o menor nível em duas semanas ante o euro. Geralmente as variações no petróleo e no dólar estão correlacionadas, pois os investidores contrabalançam os investimentos em ambos.

Apesar disso, a turbulência no mercado financeiro neutralizou o rali do petróleo. O banco de investimentos Morgan Stanley, que está entre os principais investidores em commodities, é o mais recente alvo das pressões geradas pela crise de crédito, e o mercado de petróleo busca sinais sobre um potencial vazamento dos problemas de grandes bancos para a economia em geral, o que poderia provocar uma diminuição significativa na demanda por petróleo.

A parcimônia dos investidores no mercado também pode ter contribuído para as variações de preço descontroladas desta semana, segundo nota de analistas do Barclays Capital. Muitos fundos de hedge liquidaram as posições em commodities, especialmente no mercado de energia, numa tentativa reduzir os riscos durante a rodada mais recente de crise nos mercados de crédito, acrescentaram. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG