Os preços do barril de petróleo se recuperaram nesta sexta-feira em Nova York, após ter caído abaixo da barreira dos 70 dólares na quinta, em um sinal dos investidores de que a Opep reduzirá sua produção na reunião de emergência convocada para a próxima semana.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril de West Texas Intermediate (designação do "light sweet crude" negociado nos EUA) para entrega em novembro terminou cotado a 71,85 dólares, uma considerável alta de 2,00 dólares em relação ao dia anterior.

Em Londres, o barril do tipo Brent para entrega em dezembro, primeiro dia de cotação, ganhou 3,28 dólares a 69,60 dólares.

Após cair cerca de 9 dólares em duas sessões, os preços do barril se recuperaram, "em resposta à convocação de uma reunião de emergência da Opep", explicou Andy Lipow, da Lipow Oil Associates.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) antecipou para o dia 24 de outubro uma reunião de emergência inicialmente marcada para 18 de novembro, depois que o barril de cru caiu abaixo dos 70 dólares en Nova York, seu nível mais baixo desde agosto de 2007. Os preços perderam mais da metade de seu valor em relação aos recordes alcançados em julho deste ano.

"Existe a sensação de que a produção será reduzida em cerca de um milhão de barris diários", observou Lipow.

Confirmando esta idéia, o ministro de Energia do Qatar estimou que o cartel dever decidir por uma redução de sua produção de cru de pelo menos um milhão de barris diários.

A Opep "não está preocupada apenas porque os preços caem, mas também porque, mesmo se reduzir sua produção, não conterá a queda das cotações", estimou Phil Flynn, da Alaron Trading.

De modo geral, "o mercado continua afetado pelas dúvidas sobre a demanda", destacou Lipow.

Segundo as estatísticas do departamento de Energia americano, nas últimas quatro semanas o consumo de produtos petroleiros dos americanos caiu 8,9% em relação ao ano anterior.

gmo/ap

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.