Os contratos futuros de petróleo, negociados no mercado internacional, operam em leve alta hoje, com os sinais de demanda menor e de redução das tensões com o Irã tirando o ímpeto de alta da matéria-prima (commodity), que segue cotada na casa de US$ 125,00 o barril. Por volta das 11h30 (de Brasília), o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em setembro subia 0,57% a US$ 125,15 o barril, na sessão regular da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).

Em Londres, o contrato futuro do petróleo tipo Brent com mesmo vencimento avançava 0,16%, a US$ 125,49 o barril.

As preocupações com desaceleração da demanda pela matéria-prima são crescentes, devido à combinação dos preços elevados, que se aproximaram do nível de US$ 150,00 o barril recentemente, e da economia global em declínio. Os investidores continuam reagindo a indicadores econômicos que mostram que o apetite por produtos de petróleo nos Estados Unidos está diminuindo, o que faz com que o petróleo opere nos menores níveis em sete semanas. Desde o recorde de US$ 145,29 atingido no início do mês, o preço do barril de petróleo já caiu mais de US$ 20,00.

No cenário geopolítico, o vice-presidente do Irã, Reza Aghazadeh, disse hoje que as conversas com o Ocidente podem resolver questões que vão além da capacidade nuclear iraniana. "Se as negociações forem encaminhadas, então soluções para muitos problemas como o Iraque, o Líbano e os preços dos combustíveis podem ser encontradas", declarou Aghazadeh, que também é presidente das Organizações de Energia Atômica do Irã.

Para o corretor da GA Global, Tony Rosado, "qualquer tipo de declaração amigável vinda do Irã abrandará ainda mais o mercado (de petróleo)". As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.