Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo fecha em queda com baixo volume de negócios

Os preços futuros do petróleo terminaram em queda, em meio a receios de investidores de que as medidas debatidas no Congresso dos EUA para apoiar o mercado financeiro não seriam suficientes para restaurar a demanda pela commodity. O contrato com vencimento em novembro negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) caiu US$ 1,13 (1,05%), para US$ 106,89 por barril.

Agência Estado |

Incluindo as transações do pregão eletrônico, a máxima foi de US$ 108,11 e a mínima de US$ 104,25. Em Londres, o petróleo tipo Brent para novembro negociado na ICE Futures recuou US$ 1,06 (1,02%), para US$ 103,54 o barril, com máxima de US$ 103,77 e mínima de US$ 101,20.

Os contratos futuros do petróleo, assim como os de outras commodities e o mercado de câmbio, foram relegados ao limbo hoje, enquanto corretores aguardavam um desfecho das discussões sobre o plano de auxílio ao mercado financeiro no Congresso dos EUA. Investidores acreditam que o pacote é a melhor opção para evitar um colapso econômico, enfatizado ontem pela falência do banco Washington Mutual.

Os corretores negociavam o petróleo com nervosismo, embora o volume fosse reduzido, enquanto aguardavam notícias sobre o acordo e poucos mostraram disposição para apostar em uma variação significativa dos preços em qualquer direção.

"A perspectiva de conclusão do acordo ajudou a impulsionar o mercado", disse Andy Lebow, vice-presidente do setor de energia da corretora MF Global em Nova York. "Isso não significa que o preço terá um rali. O mercado ainda está lidando com as questões da (queda na) demanda no curto prazo".

Os preços do petróleo superaram os US$ 108 o barril ontem, por conta da aparente iminência de um acordo, mas recuou quando as negociações fracassaram durante à noite. O deputado democrata Steny Hoyer, líder da maioria na Câmara, disse à rede de notícias CNBC que há chances de um acordo ser concretizado até as 19 horas (de Brasília) no domingo, antes da abertura dos mercados asiáticos.

O mercado de petróleo registrou pouco volume de negociações nesta semana, parcialmente devido às incertezas econômicas, mas também porque os investidores tiveram dificuldades para conseguir crédito. As propostas norte-americanas devem elevar um pouco o número de empréstimos e incentivar negociações mais intensas na próxima semana, de acordo com Lebow. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG