Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo fecha em baixa em Nova York apesar da próxima reunião da Opep

Os preços do petróleo fecharam em baixa nesta segunda-feira em Nova York, depois de superar a marca de 50 dólares o barril no início da sessão, em um mercado que duvida da capacidade da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em responder à queda da demanda.

AFP |

No New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril de 'light sweet' para entrega em janeiro fechou em 44,51 dólares, uma queda de 1,77 dólar em relação ao fechamento de sexta-feira.

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte para entrega em janeiro perdeu 1,81 dólar, fechando em 44,60 dólares.

Os preços aumentaram no início da sessão nesta segunda-feira em Nova York, subindo para 50,05 dólares, antes de voltar a cair no final do dia.

"Os preços começaram subindo devido aos comentários dos dirigentes da Opep sobre um corte significativo da produção do cartel", comentou Andy Lipow, da Lipow Oil Associates.

"No entanto, os operadores continuam preocupados com a queda da demanda, que puxa os preços para baixo", prosseguiu.

Os analistas do banco Goldman Sachs anteciparam na semana passada que o consumo de ouro negro no mundo deve continuar em baixa até 2010.

A Opep, por sua vez, prevê para 2009, no pior dos casos, uma queda de 500.000 barris por dia, e na hipótese mais otimista, um modesto aumento de 200.000 barris por dia.

Frente ao desabamento dos preços do petróleo, que perderam mais de dois terços de seu valor desde o pico de mais de 147 dólares atingido em julho, a Opep, que se reúne quarta-feira em Oran, na Argélia, deve anunciar um corte de sua produção.

Assim que chegou a Oran, o secretário-geral do cartel, Abdallah el-Badri, frisou que o mercado do petróleo precisa de "uma importante redução" da produção.

"Todo mundo é favorável a uma redução", afirmou o presidente da Opep, Chakib Khelil.

No entanto, "a grande questão segue sendo a aplicação" das decisões tomadas, estimou Phil Flynn, da Alaron Trading, referindo-se às tradicionais reticiências de vários países membros a traduzir em fatos as decisões do cartel.

gmo/yw/sd

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG