Os contratos futuros de petróleo voltaram a fechar em baixa em Londres e Nova York, devolvendo parte dos ganhos de ontem, pressionados pelas crescentes preocupações relacionadas à demanda, segundo operadores e analistas. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), os contratos futuros de petróleo com entrega em setembro caíram US$ 0,99, ou 0,85%, e fecharam a US$ 115,01 por barril.

Incluindo as transações do sistema eletrônico Globex, a mínima foi de US$ 112,59 e a máxima de US$ 117,42. Em Londres, no sistema eletrônico da Bolsa Intercontinental, os contratos de petróleo Brent para setembro - que venceram no final do dia - caíram US$ 0,83, ou 0,73%, e fecharam a US$ 112,64 por barril; a mínima foi de US$ 111,88 e a máxima de US$ 114,89. Os contratos de petróleo Brent para outubro caíram US$ 1,17, ou 1,02%, e fecharam a US$ 113,68 por barril.

Os futuros de petróleo caíram em reação aos dados apontando um menor consumo no futuro. Depois do relatório de ontem que mostrou um declínio de 2,8% da demanda norte-americana por petróleo, hoje os participantes do mercado foram informados de que os preços elevados de energia e outros custos empurraram a inflação ao consumidor para seu nível mais alto em 17 anos nos EUA.

As preocupações sobre os efeitos dos custos de energia e estagnação do crescimento econômico vêm pesando sobre os preços do petróleo desde o recorde acima de US$ 147,00 por barril registrado na metade de julho. "O mercado está preocupado com relação à economia", disse Stephen Schork, editor do Schork Report.

Na Europa, a economia da zona do euro encolheu no segundo trimestre, a primeira contração em termos trimestrais desde que o indicador passou a ser compilado, no início de 1995. Isso reforçou a recente pressão de baixa sobre o euro, que caiu para nova mínima em seis meses contra o dólar, para US$ 1,4777. Uma vez que o petróleo é negociado na moeda norte-americana, um dólar mais forte tende a esfriar a demanda global pelo óleo dos compradores que usam outras moedas. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.