Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo fecha em baixa com preocupações sobre demanda

Os contratos futuros de petróleo, negociados no mercado internacional, não sustentaram os ganhos conquistados ontem, quando os preços da matéria-prima (commodity) subiram cerca de 3% tanto em Londres quanto em Nova York, e fecharam em baixa hoje, na medida em que as atenções do mercado se voltaram novamente para a crise econômica global e os reflexos dela na demanda pelo produto. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), os contratos futuros do petróleo para novembro, que venceram hoje, caíram 4,53%, para US$ 70,89 o barril; a mínima foi em US$ 69,77 e a máxima a US$ 75,69.

Agência Estado |

O volume de negócios foi baixo. Em Londres, os contratos futuros do petróleo tipo Brent com vencimento em dezembro recuaram 3,70%, para US$ 69,72 o barril, com mínima em US$ 67,91 e máxima em US$ 73,29.

Os preços do petróleo, que haviam subido por dois dias consecutivos, caíram devido às renovadas preocupações sobre o enfraquecimento da economia global, que substituíram as especulações sobre o corte de produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

O dólar chegou a atingir a maior alta em 19 meses ante o euro, em um sinal de que grandes especuladores estão abandonando mercados vistos como de alto risco. Os investidores venderam contratos de petróleo, cotado na moeda americana, para compensar o fortalecimento do dólar.

Participantes do mercado também aguardam novas evidências de queda da demanda pelo produto, com a divulgação, amanhã, dos dados semanais sobre os estoques de petróleo e derivados dos Estados Unidos. Os estoques de petróleo e gasolina cresceram rapidamente nas últimas semanas, depois que as refinarias do Golfo do México voltaram a operar e a demanda caiu em razão da desaceleração da economia. "A expectativa de outra grande alta nos estoques de petróleo e gasolina foi levada em conta hoje", disse Andy Lebow, da MF Global.

O dólar mais forte e as preocupações sobre demanda desviaram temporariamente o foco do mercado da reunião da Opep na sexta-feira (dia 24), quando se espera que o cartel faça cortes de produção. Há grande expectativa de que a Opep anuncie uma redução de pelo menos 1 milhão de barris por dia, mas ainda há dúvidas sobre se o maior exportador mundial, a Arábia Saudita, vai concordar com a medida ou se o corte será suficiente para conter a queda da demanda. A Opep ainda não decidiu se vai cortar a produção, disse, hoje, em Moscou, o secretário-geral da entidade, Abdullah al-Badri.

O grupo tem opções limitadas, já que um corte muito grande forçaria a demanda ainda mais para baixo, enquanto uma redução pequena faria pouco para elevar os preços, disse Phil Flynn, analista da Alaron Trading. "Eles realmente estão entre a cruz e a espada", disse Flynn. "O mercado está mostrando falta de respeito sobre o que eles podem realmente fazer nesse tipo de ambiente". As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG