Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo fecha em baixa arrastado pela gasolina

Os preços do petróleo fecharam em baixa na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), pressionados pelo acentuada queda dos contratos futuros de gasolina diante do esvaziamento de uma ameaça de greve dos trabalhadores das refinarias americanas, segundo operadores e analistas. Na Nymex, os contratos futuros de petróleo para março fecharam a US$ 40,08 por barril, em baixa de US$ 1,60, ou 3,84%.

Agência Estado |

Incluindo as transações do sistema eletrônico Globex, a mínima foi de US$ 40,80 e a máxima, de US$ 42,25.

O mercado futuro de gasolina perdeu o piso quando o sindicato de trabalhadores e as refinarias americanas deram sinais de que estão caminhando em direção a um novo acordo trabalhista, o que pode evitar uma greve depois do vencimento do velho contrato no domingo. Os negociadores prorrogaram as negociações até terça-feira e disseram que estão fazendo progressos.

Na Nymex, os contratos de gasolina para março despencaram US$ 0,1195, ou 9,42%, e fecharam a US$ 1,1492 por galão. O potencial de greve "deu suporte ao mercado na semana passada" e isso foi retirado hoje, disse Tom Bentz, corretor e analista do BNP Paribas em Nova York. "A liquidação no final (da sessão) e o fechamento fraco sinalizam que, talvez, tenham alguma continuidade de baixa amanhã", acrescentou.

Os futuros de petróleo lutaram para escapar da pressão de baixa da gasolina, chegando até mesmo a ensaiar uma recuperação antes de despencar nos minutos finais da sessão. As altas têm sido rápidas e efêmeras no mercado de petróleo, com os contratos futuros fechando entre US$ 35 e US$ 45 o barril nos últimos dois meses. Segundo analistas, o mercado está esperando por algum sinal de que o declínio econômico global esteja alcançando seu piso, embora a vasta maioria dos recentes indicadores apontem para declínios adicionais na demanda.

Na ICE Futures, em Londres, os contratos de petróleo Brent para março fecharam em US$ 43,82 por barril, em baixa de US$ 2,06, ou 5,99%. A mínima foi de US$ 43,77 e a máxima, de US$ 46,56. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG