Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo fecha em alta de mais de US$ 3 em NY e Londres

Os preços do petróleo fecharam em alta, nesta quarta-feira, em Nova York e Londres, continuando seu movimento de vaivém registrado desde início da semana, apoiados pela alta de Wall Street e por especulações sobre a reunião da Opep.

AFP |

No New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril "light sweet crude" para entrega em janeiro terminou em 54,44 dólares, uma alta de 3,67 dólares em relação ao fechamento de terça.

O mercado permanecerá fechado na quinta e na sexta, em Nova York, pelo feriado de Ação de Graças.

Em Londres, o Brent do mar do Norte encerrou em 53,92 dólares, uma alta de 3,57 dólares.

Os preços se beneficiaram do impulso de Wall Street, que inverteu a tendência na metade da sessão e registrava nítida alta no fechamento do mercado petroleiro.

"O mercado financeiro dá uma indicação da futura demanda de petróleo", assim como sobre a prudência, ou a tendência, de fazer investimentos mais "arriscados" por parte dos investidores, comentou o analista independente Ellis Eckland.

O barril de petróleo se recuperou após mostrar uma fraqueza "desproporcional" ontem, depois dos números ruins sobre a economia americana, acrescentou o analista.

Os preços reagiram, apesar do importante aumento das reservas de cru nos EUA, que subiram 7,3 milhões de barris, de acordo com o Departamento de Energia, contra os 900.000 esperados pelos analistas interrogados pela agência Dow Jones.

"As reservas americanas de petróleo são bem mais alarmantes, e os produtores deveriam tomar medidas para evitar níveis tão elevados", disse Thierry Lefrançois, da Natixis.

"A China tomou decisões para incentivar a demanda, mas isso não terá efeito em curto prazo, e a demanda chinesa de petróleo se desacelerou para 4%, em outubro, contra 7%, nos meses anteriores. A Opep deverá tomar uma decisão firme para reverter a tendência" do mercado, uma queda de 1,5 milhão de barris diários em sua produção, completou o analista.

mla/tt/LR

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG