SÃO PAULO - O preço do petróleo voltou a fechar em baixa, cotado pouco acima de US$ 35 por barril em Nova York. Além de previsões de baixa da demanda global feita pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), os agentes continuam contabilizando dados ruins da economia americana e européias, grandes consumidores do produto.

O contrato de WTI negociado para fevereiro em Nova York fechou a US$ 35,40, com baixa de US$ 1,88. O vencimento para o mês seguinte caiu US$ 0,65, para US$ 43,54. Em Londres, o barril de Brent para o mês que vem encerrou valendo US$ 44,69, com desvalorização de US$ 0,39.

Já o contrato para março fechou praticamente estável, com aumento de US$ 0,06, para US$ 47,68. Os contratos negociados no mercado londrino têm sofrido menos pressão com as notícias envolvendo estoques americanos.

Conforme dados divulgados hoje pela Opep, a demanda global por petróleo em 2009 será menor, com diminuição de 200 mil barris por dia neste ano. Em 2008 já havia sido contabilizado baixa de 100 mil barris diários em relação ao ano anterior, primeira redução desde 1983.

Os agentes somaram a essa informações o fato de os pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos terem aumentado mais uma vez na semana até o dia 10 de janeiro. Na média das últimas quatro semanas, o nível de solicitações está em 518.500 pedidos, patamar 55% maior do que a média apurada um ano antes.

Além disso, continua em foco o fato de as reservas americanas de óleo cru e derivados terem avançado novamente na última semana. Em relatório divulgado ontem os agentes ficaram especialmente preocupados com o aumento dos estoques de destilados, onde estão incluídas as reservas de óleo de calefação, muito demandado no inverno.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.