Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo deve cair até 2015

O preço do petróleo começou um ciclo de queda que deve ir até 2015, quando deve se estabilizar em cerca de US$ 70 o barril por cerca de dez anos, aumentando novamente a partir daí, segundo cenário elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). As projeções se apóiam nas expectativas sobre fatores que a EPE considera que causaram a alta de 584% do petróleo entre janeiro de 2002 e julho deste ano.

Agência Estado |

Nesse período, o barril passou de US$ 19,42 para US$ 132,72 pela média mensal, e depois iniciou uma redução que foi de 14,7% em agosto.

A alta do petróleo nesse período foi influenciada tanto pelo aumento da demanda mundial quanto por restrições de oferta do produto. Agora, a EPE espera menor ritmo de expansão da demanda, com elevação da produção e da capacidade ociosa, o que dará uma folga para o caso de problemas geopolíticos e climáticos.

"Os fatores que causaram o aumento do petróleo nos últimos anos se esgotam, chegam a um ponto de inflexão, de destruição da demanda e o preço alto viabiliza o aumento da produção", diz o presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, que apresentará o estudo hoje, primeiro dia do evento Rio Oil & Gas.

Entre os fatores de estímulos à demanda, Tolmasquim citou o forte crescimento econômico mundial, na média de 4% ao ano entre 1998 a 2007, que deve estar passando por uma desaceleração este ano e no próximo, para 3,7% e 3,8%. Esse fator, porém, é temporário, com recuperação já a partir de 2010.

Outro motivo para a alta do petróleo foi a participação que era relativamente baixa da gasolina nos orçamentos das famílias dos países desenvolvidos. Mas o peso do combustível no total de despesas das famílias americanas, por exemplo, já dobrou, passando de 2% em 2002 para 4% mais recentemente.

Um terceiro fator é a adoção de subsídios que evitaram aumentos maiores do preço do petróleo ao consumidor em diversos países. Isso começou a ser revertido este ano, por causa do custo fiscal em países que passaram a aumentar preços dos combustíveis, como Indonésia (28,7%), Taiwan (20%), Malásia (20%) e China (18%).

Os grandes gastos nos últimos anos também estimulam políticas de eficiência energética e substituição do petróleo por outras alternativas, como os biocombustíveis.

A desvalorização do dólar no mundo amenizou o preço do petróleo em diversos países, estimulando o consumo no período de alta. A EPE espera uma apreciação do dólar, causando o efeito contrário: de alta de preço do petróleo nos países com câmbio flutuante. Isso deve ajudar a diminuir a pressão de demanda pelo petróleo e também a reduzir as pressões especulativas sobre o óleo.

Do lado da oferta, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) tinha adotado uma estratégia de trabalhar com pouca capacidade ociosa, mas os altos preços do petróleo incentivam o aumento da capacidade, que deve aumentar. Os preços também estimularam investimentos em outros países, o que levou a descobertas como a do pré-sal do Brasil e deve provocar aumento de produção também em outras regiões.

Essa é a primeira vez que uma projeção de longo prazo para o preço do petróleo é feita no Brasil, de acordo com Tolmasquim. Ele relatou que a EPE usava projeções de instituições internacionais. Foi motivada a fazer suas próprias projeções, entre outros motivos, ao ver dois bancos atingidos pela crise internacional e que, "por acaso", tinham posições em petróleo, projetando o barril a US$ 200 e US$ 400 no ano que vem, segundo o presidente da empresa. Ele ressalvou que todas as projeções estão sujeitas a incertezas.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG