SÃO PAULO - O petróleo é negociado em baixa nesta tarde. Os investidores não se impressionaram com a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que resolveu cortar sua produção em 1,5 milhão de barris diários a partir de novembro, e estão mais inquietos com a situação econômica mundial, especialmente com a possibilidade de recessão.

Minutos atrás em Londres, o Brent para dezembro cedia US$ 2,95, a US$ 62,97. O contrato de janeiro de 2009 perdia US$ 2,70, cotado a US$ 64,56.

Em Nova York, o WTI vencendo em dezembro declinava US$ 3,18, a US$ 64,66. O contrato do primeiro mês de 2009 diminuía US$ 3,16, a US$ 65,08.

"A crise financeira já está tendo impacto visível na economia mundial, afetando a demanda por energia, em geral, e por petróleo, em particular", observou a Opep em nota distribuída no fim do encontro extraordinário realizado hoje em Viena.

O cartel complementou que há projeções de que o recuo na demanda se aprofundará mais apesar da aproximação do inverno no hemisfério norte, quando geralmente há uma elevação na procura por óleo para aquecimento das casas.

"Ao mesmo tempo preocupante, os preços do petróleo testemunharam um colapso dramático, sem precedentes em velocidade e magnitude", declarou o organismo no documento.

Com a intenção de frear a queda nos preços do produto, a Opep decidiu diminuir o atual teto de produção de 28,808 milhões de barris diários em 1,5 milhão de barris por dia a partir de 1º de novembro deste ano.

(Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.