Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai quase 5% e fecha na mínima de 19 meses

Os preços do petróleo fecharam abaixo de US$ 60 por barril pela primeira vez desde março de 2007 na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), pressionados pelos temores renovados sobre a desaceleração da economia da China. O país importou menos petróleo que o esperado pelos analistas em outubro.

Agência Estado |

Na Nymex, os contratos futuros de petróleo WTI com entrega do produto em dezembro cederam US$ 3,08, ou 4,94%, e fecharam a US$ 59,33 por barril. Incluindo as transações do sistema eletrônico, a mínima foi de US$ 58,32 e a máxima, de US$ 62,28. Nas transações eletrônicas da ICE Futures, em Londres, os contratos de petróleo Brent para dezembro caíram US$ 3,37, ou 5,71%, e fecharam a US$ 55,71 por barril. A mínima foi de US$ 54,92 e a máxima de US$ 57,78 por barril.

A demanda chinesa por energia tem sido um fator primordial na oscilação dos preços do petróleo. A commodity subiu para níveis recorde em julho de 2008 diante do rápido crescimento do país e de outras economias em desenvolvimento nos últimos anos. Agora, os sinais de que a taxa de crescimento chinês estão recuando jogam os preços para baixo.

A China importou 16,16 milhões de toneladas de petróleo cru em outubro, o equivalente a 3,82 milhões de barris por dia, de acordo com dados preliminares da Administração Geral de Alfândega. O volume é 7,5% maior que o de setembro e 28% maior que o importado no mesmo período do ano passado.

"Os dados de importação da China foram responsáveis, definitivamente, pela queda dos preços. Mas as cotações também foram pressionadas pela valorização do dólar e pelo fraco cenário econômico mundial", disse Tom Bentz, corretor e analista do BNP Paribas. Ele acrescentou que o fato de o petróleo ter fechado bem abaixo das máximas, ontem, atraiu vendas mais agressivas hoje.

A demanda fraca está se sobrepondo a outros fatores, que em tempos melhores teriam levantado os preços, como o clima frio no nordeste dos EUA e a perspectiva de um segundo corte na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). "Há uma série de fatores no lado da oferta que deveriam provocar um rali no mercado, mas como a demanda está fraca será difícil que isso aconteça", disse Peter Beutel, presidente da consultoria Cameron Hanover. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: petroleo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG