Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai para US$ 98,53 com aumento dos estoques

Os preços futuros de petróleo fecharam abaixo de US$ 100 o barril, reagindo ao aumento acima do esperado nos estoques da commodity nos EUA na semana passada. O dado reforçou os temores quanto à retração da demanda no país.

Agência Estado |

Os contratos futuros do petróleo com vencimento em novembro negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) fecharam com queda de US$ 2,11 (-2,1%) para US$ 98,53 o barril, com mínima em US$ 95,95 e máxima em US$ 100. No mercado eletrônico ICE, o petróleo Brent para novembro fechou com queda de US$ 2,84 para US$ 95,33 o barril. A mínima do contrato foi US$ 92,87 e, a máxima, US$ 100,31.

Na Nymex, os preços chegaram a cair mais de US$ 4 depois que o Departamento de Energia (DOE, na sigla em inglês) informou que o consumo de petróleo dos EUA caiu 7,1% nas quatro semanas anteriores, ante o mesmo período do ano passado. A demanda por gasolina recuou 4,5% no período para o menor volume em quase três anos. O volume de petróleo bruto importado por meio dos portos do Golfo do México dobrou na semana passada, o que ajudou a aumentar os estoques norte-americanos em 4,3 milhões de barris, de acordo com o DOE. Os estoques de gasolina subiram cerca de 900 mil barris, contrariando a expectativa de queda por conta da redução na produção das refinarias.

O relatório refletiu, em parte, o impacto da passagem dos furacões Gustav e Ike pelo Golfo do México no mês passado, quando a extração de petróleo teve de ser reduzida. Os números, porém, reforçaram outro dado recente que mostrou queda na demanda por combustível nos EUA, o maior consumidor de energia do planeta.

Os participantes do mercado de petróleo e de outras commodities continuaram de olho nas notícias sobre o pacote de socorro aos bancos, que deverá ser votado pelo Senado dos EUA hoje à noite. Depois de ser rejeitado pela Câmara dos Representantes na segunda-feira, a expectativa agora é que a versão revisada do plano seja aprovada pelo Senado. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG