SÃO PAULO - Os preços do petróleo voltaram a recuar na jornada de hoje, diante do fortalecimento do dólar no mercado internacional e do menor temor sobre o impacto que uma tempestade tropical no Golfo do México poderia ter sobre a produção de óleo cru na América do Norte. Assim, a commodity compensou a alta de ontem e atingiu o menor preço em quase sete semanas. Nos últimos sete pregões, o recuo acumulado da cotação é de US$ 17 por barril.

Em Nova York, o barril tipo WTI para entrega em agosto fechou a US$ 127,95, com recuo de US$ 3,09. O contrato de setembro marcou US$ 128,42, com queda de US$ 3,40. Em Londres, o Brent para setembro encerrou o pregão cotado a US$ 129,55, baixa de US$ 3,06. O vencimento de outubro situou-se em US$ 130,51, após ter cedido US$ 3,00.

Ontem, o petróleo havia subido pouco mais de US$ 2 por barril, com os analistas preocupados com a possibilidade de a tempestade tropical Dolly atingir regiões produtoras de óleo cru no Golfo México. Hoje no entanto, a análise é de que a Dolly não afetará a produção de petróleo, embora possa causar enchentes em áreas com refinarias.

Um componente financeiro que ajudou na queda do petróleo foi a alta do dólar no mercado internacional, após o secretário do Tesouro norte-americano, Henry Paulson, ter reafirmado hoje que um dólar forte é muito importante para os EUA.

Nos últimos meses, a cotação do petróleo tem tido um comportamento inverso ao da taxa de câmbio. Quando o dólar perde valor ante outras moedas internacionais, o preço do petróleo tende a subir. Da mesma forma, se o dólar se fortalece, a cotação em dólar do óleo cru tende a se reduzir.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.