Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai e atinge mínima em 5 meses

Os contratos futuros do petróleo, negociados no mercado internacional, mantêm o sinal negativo e são cotados na casa dos US$ 108,00 o barril, tanto em Londres quanto em Nova York, devolvendo os ganhos obtidos recentemente ante a expectativa da passagem da tempestade tropical Gustav no Golfo do México. Logo no início da manhã de hoje, o futuro do petróleo tipo WTI chegou à mínima de US$ 105,46 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), na menor cotação em cinco meses.

Agência Estado |

Ontem, o pregão regular da Nymex esteve fechado, por causa do feriado do Dia do Trabalho nos Estados Unidos.

Às 8h43 (de Brasília), o contrato do WTI com vencimento em outubro cedia 2,63% a US$ 108,29 o barril na Nymex eletrônica. Em Londres, o contrato do petróleo tipo Brent com mesmo vencimento recuava 2,02% para US$ 107,20 o barril.

O mercado devolve o prêmio embutido nos preços em antecipação à passagem do furacão Gustav pelas instalações de petróleo no Golfo do México. O mercado temia que houvesse comprometimento importante da produção situada no caminho do furacão. Porém, Gustav voltou à condição de depressão tropical, mas ainda provoca pesadas chuvas no Louisiana e a formação de alguns tornados ainda é possível.

Entretanto, as refinarias informaram danos mínimos até o momento e as informações iniciais são de que a produção de petróleo e gás natural nas plataformas será normalizada em breve.

Alguns especialistas ponderam que a onda de vendas pode ser prematura, uma vez que não se sabe exatamente a extensão dos danos causados. Ontem, a petrolífera ConocoPhillips disse que não havia registro de grande estrago em sua plataforma em alto-mar (offshore) Mongolia e em sua refinaria Alliance, em Belle Chasse, Louisiana. A petrolífera Royal Dutch Shell disse que pretende enviar parte de seus funcionários para a plataforma offshore hoje e inspecionar outras de suas instalações para avaliar possível impacto do furacão. Já a BP ainda não deu início à inspeção de suas instalações. As informações são da Dow Jones e de agências internacionais.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG