Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai, com turbulência nos mercados

Os contratos futuros do petróleo operam em queda acentuada no mercado internacional esta manhã, recuando pelo segundo dia consecutivo, com investidores temerosos sobre o desaquecimento econômico global e a diminuição na demanda pela matéria-prima (commodity) em meio à turbulência nos mercados financeiros. As turbulências no mercado geradas após o pedido de concordata do Lehman Brothers, o anúncio da compra do Merrill Lynch pelo Bank of America (BofA) e os problemas da seguradora American International Group (AIG), colaboram para as vendas no mercado de petróleo, de acordo com analistas.

Agência Estado |

"O colapso de mais uma grande instituição financeira, ou até mesmo da AIG, poderia provocar um volume de vendas ainda mais amplo", afirmou Andrey Kryuchenkov, analista da Sucden Research em Londres.

Às 11h30 (de Brasília), o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em outubro caía 3,25%, para US$ 92,50 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). Em Londres, o contrato do petróleo tipo Brent com vencimento em novembro negociado recuava 3,53%, para US$ 90,91 o barril.

Furacão

Após a passagem do furacão Ike, refinarias que representam um quinto da capacidade americana estavam fechadas, enquanto outras operavam em ritmo reduzido. Diversas plataformas de produção também foram danificadas e o Serviço de Gerenciamento de Minerais dos Estados Unidos anunciou que praticamente toda a produção marítima do Golfo do México estava paralisada.

Os prejuízos provocados em dez refinarias americanas por conta da água após a passagem dos furacões Gustav e Ike podem atrasar o retorno de aproximadamente 2,4 milhões de barris por dia em capacidade de refino de petróleo para o mercado, de acordo com um comunicado da Agência Internacional de Energia.

"Os fundamentos do mercado não importam muito no momento - até que ocorra uma recuperação significativa nos mercados financeiros, não teremos queda na aversão ao risco. As pessoas estão tirando dinheiro das commodities em geral", disse Kryuchenkov, da Sucden Research. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG