Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai após corte de juros na Europa

Os preços futuros do petróleo operam em baixa, pressionados pelo dólar mais forte ante o euro após o anúncio dos cortes de juros pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Banco da Inglaterra (BoE), de acordo com corretores. Às 13h08 (de Brasília), os contratos do petróleo com vencimento em dezembro negociados na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) caíam US$ 2,45, ou 3,75%, para US$ 62,85 o barril.

Agência Estado |

Em Londres, o petróleo tipo Brent para dezembro recuava US$ 2,38, ou 3,85%, para US$ 59,49 o barril.

Os cortes de juros anunciado pelo BoE e pelo BCE hoje pela manhã foram recebidos pelo mercado como sinal de que as economias européias estão passando por um período difícil e serviram como impulso para o dólar ante o euro, o que provocou vendas no mercado de petróleo.

O declínio nos mercados de ações também pressionava os futuros do petróleo, que vêm acompanhando o desempenho das bolsas desde o aprofundamento da crise financeira, em setembro. As ações na Europa e nos EUA operavam em baixa. "Não há dúvida de que os resultados negativos dos mercados internacionais estão refletindo no sentimento aqui", disse Tony Rosado, corretor da GA Global Markets em Nova York. "Simplesmente não estão acrescentando nada em termos de confiança."

A queda nos preços do petróleo hoje também era considerada uma continuação das perdas registradas na sessão de ontem, provocada por um aumento inesperado nos estoques de gasolina dos EUA na semana passada.

Apesar disso, analistas e participantes do mercado vêem um piso para a queda nos preços. Mesmo após dois dias de perdas, o petróleo continua US$ 2 acima das mínimas registradas no início da semana passada e devem continuar variando entre US$ 61 e US$ 70 o barril. "Esta variação dos preços pode estar nos dizendo que grande parte das más notícias já está presente nos mercados e que seria necessário outro choque severo para provocar uma nova onda de vendas", avaliou Ed Meir, da MF Global. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG