Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai abaixo de US$ 60 com a demanda menor

Os contratos futuros do petróleo estão em queda, a preços inferiores a US$ 60 o barril, com o mercado novamente deslocando as atenções para o enfraquecimento da demanda mundial pela commodity.

Agência Estado |

Às 11 horas (de Brasília), o contrato futuro de petróleo com vencimento em dezembro negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) caía US$ 2,49, ou 3,99%, para US$ 59,92 o barril.

Em Londres, o contrato do petróleo tipo Brent para dezembro recuava US$ 2,30, ou 3,89%, para US$ 56,78 o barril.

O pacote de estímulo econômico de US$ 586 bilhões anunciado pela China no final de semana, que impulsionou os preços na sessão de ontem, passou a ter sua eficácia sobre a diminuição na demanda por petróleo questionada pelos participantes do mercado, levando em consideração a perspectiva de queda no crescimento econômico mundial.

"Este pacote de incentivo precisa ser avaliado sob uma perspectiva global. Um grande plano de investimentos da China para 2009 muda o prognóstico para a economia dos EUA no quarto trimestre de 2008 ou para o primeiro trimestre do ano que vem? Não. E nem vai mudar dramaticamente as projeções para o restante do mundo no curto prazo", disseram analistas liderados por Lawrence Eagles, do JP Morgan. "Para os mercados de commodities, o crescimento econômico simultâneo é o verdadeiro fator de alta para os preços, não a China."

O corte de 1,5 milhão de barris por dia na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), anunciado em outubro, também não era suficiente para elevar os preços do petróleo. Apesar de alguns ministros de países integrantes do grupo manifestarem-se favoráveis a uma reunião de emergência antes do encontro agendado para 17 de dezembro na Argélia, analistas sugerem que o mercado deve continuar a ignorar os detalhes sobre a queda na produção dos países da Opep enquanto não houver reflexos concretos de diminuição na oferta. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre petróleo

Leia tudo sobre: petroleopetróleo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG