Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai abaixo de US$ 121 e favorece Bolsas de NY

A alta do índice de confiança do consumidor norte-americano em julho e a forte queda do preço do petróleo (abaixo de US$ 121 o barril em Nova York) agitaram os mercados financeiros no exterior, promovendo fortalecimento do dólar e acelerando os ganhos das Bolsas norte-americanas. A própria recuperação das ações em Wall Street assegura a valorização da moeda norte-americana, não somente ante o euro, mas também em relação ao iene, ao franco suíço e à libra esterlina.

Agência Estado |

O índice Dow Jones da Bolsa de Nova York subia mais de 100 pontos e o mercado de petróleo, por sua vez, ignorava o noticiário sobre produção na Nigéria, e opera abaixo de US$ 121,00 o barril, focado nas questões relacionadas à demanda. Às 11h49, o Dow Jones subia 1,27%; o S&P 500 avançava 1,30% e o Nasdaq registrava valorização de 2,23%. Ontem, o Dow Jones e o Nasdaq fecharam em queda de 2,11% e 2%, respectivamente, enquanto o S&P 500 caiu 1,8%.

Na Bolsa de Valores de São Paulo, o índice Bovespa operava em alta de 1,07% a 57.479 pontos, com volume financeiro de R$ 1,34 bilhão. As ações da Petrobras registravam baixa de 0,72% (preferenciais) e 0,38% (ordinárias). As ações PNA da Vale subiam 2,44%.

O euro caiu até US$ 1,5595 na mínima do dia, no mercado internacional de moedas, e o dólar superou os 108 ienes (moeda japonesa). A moeda norte-americana valorizou-se também com os fracos indicadores econômicos divulgados hoje na zona do euro e no Japão. Nos EUA, o índice de confiança do consumidor do Conference Board subiu para 51,9 em julho, de 51 em junho e acima da estimativa dos economistas, também de 51.

No horário acima, o petróleo com vencimento em setembro era negociado a US$ 121,00 o barril no pregão regular da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), queda de 2,99%. O preço mínimo nesta manhã foi de US$ 120,75 por barril.

Na Nigéria, a Royal Dutch Shell declarou que não conseguirá cumprir, nos próximos dois meses, boa parte de suas exportações de petróleo oriundas do campo de Bonny devido aos ataques que as instalações sofreram ontem. Com informações da agência Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG