Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petróleo cai a US$ 60,77, menor preço em 19 meses

Os preços do petróleo fecharam no menor preço em 19 meses na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), pressionados pela queda dos índices de ações nos EUA e na Europa. Os mercados reforçaram nesta quinta-feira o sentimento de que a economia mundial está em desaceleração, um cenário que diminui a demanda pelo petróleo.

Agência Estado |

Na Nymex, os contratos futuros de petróleo WTI com entrega do produto em dezembro fecharam com queda de US$ 4,53, ou 6,94%, a US$ 60,77 por barril. Incluindo as transações do sistema eletrônico Globex/Nymex, a máxima foi de US$ 65,50 e a mínima, de US$ 60,16 por barril. No sistema eletrônico ICE Futures, em Londres, o petróleo Brent teve queda de US$ 4,44, ou 7,2%, para US$ 57,43 por barril, o fechamento mais baixo desde fevereiro de 2007.

O valor de U$ 60 por barril é um marco. Desde a máxima de cerca de US$ 145 alcançada em julho as cotações caem de forma contínua, um recuo que começou com a desaceleração da economia dos EUA e foi aprofundado pelo agravamento da crise financeira, que se espalhou pelo mundo.

Preços a US$ 50 por barril, que seriam os mais baixos em três anos e meio, parecem cada vez mais plausíveis, a menos que a economia global dê sinais de melhora, ou que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) faça mais cortes na produção. "O único suporte para o mercado é o fato de o preço ter ficado muito baixo de forma muito rápida", comentou Peter Van Cleve, presidente da T.W. Energy Consulting.

Hoje as cotações começaram a ser pressionadas ainda no pregão eletrônico, antes da abertura do mercado, pelo corte das taxas de juros promovido pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Banco da Inglaterra (BoE). Os mercados interpretaram que os cortes indicaram uma piora nas condições econômicas da Europa. O euro desabou ante o dólar, o que desencadeou liquidações no mercado de petróleo. Os índices de ações nos EUA e Europa também cederam.

Os participantes do mercado da commodity esperam que a Opep coloque um piso sob os preços cortando ainda mais a produção. Os membros do cartel reúnem-se novamente em dezembro. A redução de 1,5 milhão de barris anunciada em outubro foi considerada pequena. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre petróleo

Leia tudo sobre: petroleo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG