Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petroleira coreana Knoc está de olho em ativo na América Latina

SEUL (Reuters) - A petroleira estatal Korea National Oil Corp (Knoc) vai adquirir uma empresa energética na América Latina no primeiro trimestre de 2009, disse na segunda-feira o ministro de Energia da Coréia do Sul. O ministro não revelou detalhes sobre o possível alvo que a petroleira sul-coreana teria na mira, mas uma fonte que conhece a operação de perto disse à Reuters que estaria avaliado em mais de 1 bilhão de dólares.

Reuters |

A aquisição faz parte de um plano do governo sul-coreano de analisar diversas empresas estrangeiras de energia no mundo para aquisição a fim de aumentar as reservas de petróleo do país.

A Coréia do Sul é o quinto maior importador de petróleo mundial.

"(O governo) vai aproveitar ativamente uma queda acentuada nos preços dos ativos e rever as oportunidades resultantes para fazer crescer a Korea National Oil Corp (KNOC) através de fusões e aquisições com empresas de tamanho médio", disse o ministério de Energia em um comunicado.

A queda do petróleo e de outras commodities reduziu o valor de mercado de ativos em quase 70 por cento, com uma empresa canadense de energia, por exemplo, caindo de uma avaliação de 22 bilhões de dólares para 7,9 bilhões de dólares atualmente.

O preço do petróleo chegou ao pico de 147 dólares em meados de 2008 e atualmente é negociado em torno dos 40 dólares.

De acordo com o plano do governo, a Knoc pretende reforçar a sua capacidade de produção de petróleo para 300.000 barris por dia (bpd) até 2012 ante 50.000 bpd atuais. Cerca de 20.000 bpd deverão vir de compras de empresas de médio porte este ano.

"Estamos revendo entre sete e oito empresas com capacidade de produção de 100.000-150.000 barris para aquisições", afirmou Lee Jae-Hoon, vice-ministro de Energia, em uma coletiva de imprensa.

Como parte do plano, mas sem revelar o nome, ele anunciou que a Knoc vai comprar uma empresa energética latino-americana no primeiro trimestre de 2009, um acordo que acrescentaria 10.000 barris de petróleo bruto de produção para a Coréia do Sul.

(Reportagem de Angela Moon)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG