Rio de Janeiro, 6 mar (EFE).- A Petrobras alcançou esta semana um novo recorde de produção e superou pela segunda vez em sua história a marca dos dois milhões de barris de hidrocarbonetos diários, informou hoje a companhia.

A maior empresa brasileira produziu na quarta-feira passada 2.012.654 barris, superando em 12.420 barris o recorde que tinha marcado em 25 de dezembro de 2007 (2.000.234 barris), segundo um comunicado da empresa.

A companhia petrolífera atribuiu o crescimento à entrada em operação de três novas plataformas marinhas de exploração na Bacia de Campos, onde a Petrobras extrai mais de 80% do petróleo brasileiro.

Segundo a companhia, quando alcançarem seu pico de produção, estas três novas plataformas aumentarão em 460 mil barris diários a capacidade instalada da empresa.

A Petrobras também informou que para este ano está prevista a entrada em operação de novas plataformas, o que deve aumentar ainda mais a produção.

Em maio próximo está programado que comece a funcionar na bacia marinha do Espírito Santo o navio-plataforma Cidade de São Mateus, projetado para produzir até dez milhões de metros cúbicos de gás natural por dia.

Em junho o fará a plataforma FPSO Espírito Santo, que operará em uma área explorada por um consórcio integrado por Shell (50%), Petrobras (35%) e ONGC (15%) e que tem capacidade de 100 mil barris diários de petróleo.

E em julho começará a trabalhar a plataforma FPSO Frade, com capacidade para extrair 100 mil barris diários e que será ancorada em uma área na Bacia de Campos concedida a um consórcio integrado por Chevron (51,7%), Petrobras (30%) e Impex (18,3%).

Entre as bases que entrarão em operação este ano também figura o navio-plataforma BW Cidade San Vicente, que o consórcio integrado por Petrobras (65%), BG (25%) e Petrogal (10%) porá em funcionamento nos próximos meses para testar a extração no campo de Tupi.

Tupi é uma das reservas gigantescas achadas nos últimos meses pela Petrobras no chamado pré-sal, um horizonte de prospecção a mais de 7 mil metros de profundidade que o Brasil descobriu abaixo de uma camada de sedimentos salinos de quase dois quilômetros em águas profundas no Oceano Atlântico.

A Agência Nacional de Petróleo (ANP, órgão regulador) calcula que apenas nas jazidas que já foram licitados no pré-sal pode haver entre 50 bilhões e 80 milhões de barris de petróleo, muito acima das reservas brasileiras (14 bilhões de barris).

Segundo a Petrobras, a produção em Tupi "começará com um poço com capacidade máxima de 15 mil barris diários", mas a operação permitirá analisar o comportamento das reservas de produção e a drenagem de fluidos nas jazidas desta área. EFE cm/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.