RIO - A Petrobras espera perfurar o total de até 16 poços na área de Tupi, na Bacia de Santos, antes de declarar a comercialidade da região, o que deve ser feito até o fim do ano. O diretor de exploração e produção da estatal, Guilherme Estrella, afirmou que a quantidade de poços pode variar entre 14 e 16, mas o objetivo da companhia é ter o maior número de poços perfurados - e, consequentemente, de informações sobre o reservatório - antes de declarar comercialidade e instalar o projeto piloto, com pico de produção de 100 mil barris diários.

RIO - A Petrobras espera perfurar o total de até 16 poços na área de Tupi, na Bacia de Santos, antes de declarar a comercialidade da região, o que deve ser feito até o fim do ano. O diretor de exploração e produção da estatal, Guilherme Estrella, afirmou que a quantidade de poços pode variar entre 14 e 16, mas o objetivo da companhia é ter o maior número de poços perfurados - e, consequentemente, de informações sobre o reservatório - antes de declarar comercialidade e instalar o projeto piloto, com pico de produção de 100 mil barris diários. "Estamos concentrando sondas para obter o maior número de informações. Quanto maior a quantidade e a qualidade de informações, maior a chance de apresentarmos à ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) um plano de desenvolvimento mais consistente e tecnicamente mais bem baseado", ressaltou Estrella. O executivo participou da Conferência Internacional de Saúde, Segurança e Meio Ambiente na Exploração e Produção de Óleo e Gás, organizada pela Sociedade de Engenheiros do Petróleo (SPE, na sigla em inglês) no Rio de Janeiro. Até o momento, a companhia já perfurou os poços de Tupi, Tupi Sul, Tupi Nordeste, Iracema e Tupi OW na região, sem contar Iara, um segundo prospecto dentro do bloco BM-S-11, onde está Tupi. Para alcançar o objetivo citado por Estrella, a empresa deverá perfurar outros 10 poços até o fim do ano. "Na verdade, esse número (de poços) vai variar. Estamos concentrados na área com duas ou três sondas lá", acrescentou Estrella. Pelas regras da ANP, a empresa tem até dezembro para declarar a comercialidade do BM-S-11, mas Estrella admitiu há cerca de um mês que o objetivo da Petrobras é realizar o processo e começar o piloto em outubro. (Rafael Rosas | Valor)
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.