Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petrobras prorroga prazo da licitação de navios offshore

RIO - A Petrobras prorrogou por dois meses a entrega das propostas para a contratação de 24 navios de apoio às plataformas de petróleo e gás. O prazo para recebimento das propostas técnicas e comerciais das embarcações encerrava-se amanhã, data que agora ficou para 29 de setembro. A abertura dos envelopes será um dia depois. O adiamento ocorreu a pedido dos participantes da concorrência, que não conseguiram fechar a tempo os projetos dos navios encomendados pela estatal.

Valor Online |

Os navios formam o primeiro lote de um total de 146 novas unidades de apoio às atividades de exploração e produção marítima com contratação prevista até 2014. As embarcações integram o 3º plano de renovação da frota de apoio marítimo da Petrobras, aprovado pela empresa em dezembro de 2007. O custo estimado de toda a encomenda é de US$ 5 bilhões.

Só o primeiro lote, com 24 unidades, deve superar US$ 1,5 bilhão. Fontes do setor dizem que os preços dos navios estão subindo puxados pelo aquecimento do mercado e pelos fornecedores dos equipamentos. Uma das perguntas já feitas à Petrobras é se os navios podem ter propulsão convencional (só a diesel) para baratear o projeto. Isso porque nas especificações da licitação a empresa exige propulsão diesel-elétrica. Entre os navios do primeiro lote há nove AHTS (Anchor Handling Tug Supply), dez PSVs (Plataform Supply Vessel), três ORSVs (Oil Recover Supply Vessel) e dois rebocadores, conhecidos pela sigla TS (do inglês Tug Supply).

Fomos um dos que pediram o adiamento (do prazo da licitação) porque não conseguimos fechar a proposta para entrega à Petrobras , disse Luiz Maurício Portela, diretor-presidente da Companhia Brasileira de Offshore (CBO), empresa do grupo Fischer. A CBO discute os projetos dos navios a serem construídos com três empresas: Ulstein, Rolls-Royce e Vik Sandvik.

O fechamento das propostas é complexo pois envolve os estaleiros, que fazem a cotação dos navios, e os armadores, que fecham o preço final incluindo o custo de operação das embarcações. Nesta modalidade de licitação, a Petrobras afreta os navios das armadoras que apresentarem melhor proposta. Comenta-se no mercado que há 23 armadores na disputa.

Fontes do setor dizem que os projetistas, concentrados na Noruega, não conseguiram fechar os projetos muito em função do período de férias no Hemisfério Norte. Diversos participantes não teriam recebido os projetos de engenharia com as novas configurações dos navios, de acordo com o exigido pela Petrobras.

A Petrobras informou que em processos dessa complexidade adiamentos na entrega das propostas são previstos no cronograma de contratação. No convite é estipulado um prazo máximo para a entrega das embarcações. Portanto, segundo a estatal, o cronograma do projeto continuará de acordo com o planejado.

(Francisco Góes | Valor Econômico)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG