Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petrobras perfura 6 poços em busca de reservas no pré-sal

A Petrobras intensificou os esforços para comprovação de reservas de petróleo e gás abaixo da camada de sal, na Bacia de Santos, onde já fez nove descobertas. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a companhia está perfurando, neste momento, seis poços exploratórios abaixo dos 6 mil metros de profundidade.

Agência Estado |

A distância é semelhante à percorrida pelo poço descobridor de Tupi, maior reserva descoberta no Brasil.

Durante o primeiro semestre, a Petrobras mantinha uma média de três poços simultâneos em busca de reservas abaixo do sal, esforço limitado pela escassez de plataformas de perfuração para águas ultraprofundas. Nos últimos meses, porém, com o apoio da parceira Repsol, da Espanha, decidiu ainda buscar reservas no pré-sal em blocos localizados em águas rasas.

Nesse último caso, está o bloco BM-S-12, da 3ª Rodada de Licitações da ANP, em 2001, na porção sul da Bacia de Santos, a 400 quilômetros de Tupi. Lá, a Petrobras pretende atingir os 6.525 metros de profundidade. No meio do caminho, já encontrou indícios de gás que, segundo um técnico da companhia, estão acima da camada de sal.

De acordo com geólogos, há boas perspectivas de descobertas de gás abaixo da camada de sal na região do BM-S-12, em frente ao litoral de Santa Catarina. O local, batizado de Pólo Sul da Bacia de Santos, tem pequenos campos como Coral, Estrela do Mar e Cavalo Marinho, e produziu uma média de 3,7 mil barris de petróleo em 2007.

O BM-S-12 tem uma lâmina dágua (distância entre a superfície e o fundo do mar) de 470 metros, bem abaixo dos mais de 2 mil metros de Tupi, por exemplo. Na mesma região, a Petrobras planeja perfurar um poço no bloco BM-S-47, contíguo ao BM-S-12, formado pela junção de sete blocos exploratórios arrematados na 5ª Rodada de Licitações da ANP, em 2003.

Há outra frente de busca por reservatórios profundos abaixo do sal em blocos de águas rasas, no Pólo Merluza da Bacia de Santos. Segundo a ANP, a companhia perfura neste momento um poço próximo ao campo de Lagosta, descoberto em 2004, buscando reservas a 6.189 metros de profundidade.

Na "área do pré-sal", em águas ultraprofundas, onde estão as maiores expectativas da Petrobras, a companhia perfura três poços com objetivos abaixo da camada de sal. Nos blocos BM-S-9 e 11, busca confirmar o potencial dos projetos Carioca e Tupi - este último com reservas estimadas de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de petróleo e gás. Os dois devem superar os 6.100 metros de profundidade.

Já no BM-S-24, a companhia está refazendo o bloco descobridor de Júpiter, que teve de ser interrompido porque a plataforma estava operando no limite e necessitava de manutenção. Nesse projeto, a Petrobras encontrou, em janeiro, um reservatório de gás natural, que só agora será testado.

O último poço está sendo perfurado em um bloco mais ao norte, o S-M-322, próximo a descobertas importantes, como Tambaú e Uruguá. O poço deve chegar aos 6.456 metros de profundidade. O plano de desenvolvimento da estatal para a Bacia de Santos chama essa área de Pólo Norte da bacia.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG