Tamanho do texto

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras fará sua capitalização até o final de julho, mesmo que o Congresso Nacional não aprove a cessão onerosa de áreas de exploração pelo governo à estatal até o final de maio.

O diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, disse, segundo a edição deste sábado do jornal O Estado de S. Paulo, que a companhia espera a aprovação até o fim deste mês do projeto de cessão onerosa pelo governo de áreas não licitadas do pré-sal em troca indireta por ações da empresa.

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras fará sua capitalização até o final de julho, mesmo que o Congresso Nacional não aprove a cessão onerosa de áreas de exploração pelo governo à estatal até o final de maio.

O diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, disse, segundo a edição deste sábado do jornal O Estado de S. Paulo, que a companhia espera a aprovação até o fim deste mês do projeto de cessão onerosa pelo governo de áreas não licitadas do pré-sal em troca indireta por ações da empresa.

"Se apesar de nossa aposta, essa aprovação não sair, teremos de fazer a capitalização de um outro jeito", disse o executivo, segundo o jornal.

Na semana passada o relator do projeto de capitalização da estatal, senador Delcídio Amaral (PT-MS), disse em entrevista à Reuters que que o projeto de capitalização da companhia, que inclui a cessão onerosa, será aprovado até maio.

Na noite de sexta-feira, a Petrobras anunciou que seu Conselho de Administração orientou a companhia a negociar com a União um valor preliminar por barril de petróleo da camada pré-sal que serão comprados pelo governo.

A orientação foi dada porque o prazo estimado para a União obter a análise da Agência Nacional do Petróleo (ANP) sobre os direitos a serem cedidos à Petrobras ultrapassa a data planejada para implementar o processo de capitalização e de cessão onerosa, previsto para julho deste ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.