Salvador, 28 - A Petrobras inaugura amanhã sua primeira usina de biodiesel. A unidade, instalada em Candeias (BA), na Região Metropolitana de Salvador, custou R$ 101 milhões e terá capacidade de produção de 57 milhões de litros do combustível por ano.

A fábrica é a primeira de três que a estatal pretende inaugurar até o fim do ano. As unidades de Quixadá (CE) e de Montes Claros (MG) devem começar a operar já em agosto. "Temos uma meta ousada de produção de biodiesel", afirma o presidente da recém-criada Petrobras Biocombustível - cuja diretoria será anunciada amanhã - Alan Kardec. "Almejamos chegar a 2012 com a produção anual de 940 milhões de litros". As três primeiras usinas devem produzir, por ano, 170 milhões de litros de biodiesel.

A Petrobras Biocombustível terá sede no Rio e foi criada, de acordo com Kardec, para unificar os trabalhos que a estatal realiza na área. "A empresa nasce com dois apelos fortíssimos: o ambiental, na medida em que colabora com a redução dos gases que provocam efeito estufa, e o empresarial, baseado no aumento da demanda mundial por biocombustíveis", disse.

Para a diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, a produção de biodiesel tem também a preocupação de criar empregos e renda no campo. "A fábrica deve ter 58% de sua matéria-prima vinda de plantações de agricultura familiar", afirma. Segundo a empresa, 28.922 agricultores de 264 municípios de Bahia e Sergipe estão plantando girassol e mamona para a unidade. A Petrobras forneceu 205,2 toneladas de sementes para garantir a produção.

"As primeiras remessas de oleaginosas vindas da agricultura familiar devem chegar entre outubro e novembro", afirma Maria das Graças. "Até lá, vamos usar matérias-primas da agricultura intensiva. Já compramos 6 mil toneladas de óleos vegetais para o início da produção."

Gordura Animal e Resíduos

Para não depender somente da produção de oleaginosas, porém, a usina de Candeias foi projetada para operar também com gorduras animais e com resíduos de fritura de alimentos. "Isso é importante para minimizar o efeito perverso da volatilidade das cotações das matérias-primas, como a soja, no preço do biodiesel", diz a diretora. "Em tecnologia, não existe nenhuma planta como esta de Candeias no País. A usina vai produzir biodiesel tão puro quanto um bom uísque escocês."

Entre as inovações tecnológicas apontadas por Maria das Graças está o sistema de automação, que monitora, em tempo real, 1,2 mil variáveis do processo de fabricação do biodiesel, da chegada da matéria-prima à saída da produção da unidade. "A curva de aprendizado sobre a produção de biodiesel ainda está no início", afirma. "Quanto mais estudarmos e pesquisarmos sobre ela, mais desenvolveremos novas tecnologias, que vão poder fazer diminuir os preços do combustível, que ainda é mais caro que o diesel de petróleo."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.