A Petrobrás deve iniciar em outubro as licitações de plataformas para operação no pré-sal da Bacia de Santos, revelaram fontes ligadas à estatal. Duas dessas unidades serão afretadas para operar os projetos pilotos de produção das áreas de Iara e Tupi, de 100 mil barris cada, a partir de 2011.

Acordo Ortográfico

 A estatal ainda deve encomendar ao mercado nacional entre seis e dez unidades para o desenvolvimento de Tupi, também a partir de 2011.

Segundo uma fonte ligada ao setor de engenharia da empresa, o pacote a ser lançado para as encomendas ao mercado interno prevê que todas as unidades tenham o casco construído no dique seco que a Petrobrás arrendou no Rio Grande. O dique foi construído pela W Torre, que venceu a licitação lançada no ano passado pelo Grupo Rio Bravo.

Com a utilização do dique para a construção desses cascos, a perspectiva é de redução no custo da unidade em até US$ 200 milhões. Hoje uma plataforma do tipo FPSO (que processa o óleo, armazena e o transfere para dutos ou embarcações) com casco novo custa US$ 1,8 bilhão.

A idéia da Petrobrás é também ganhar em escala. O presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, disse, em abril, que o dique seco de Rio Grande poderia virar um canteiro de obras para plataformas para o pré-sal.

Segundo uma fonte do mercado, estuda-se apenas se o pacote de encomendas seria único ou múltiplo. Ou seja, se apenas um estaleiro ou grupo ficaria responsável por construir todos os cascos utilizando as instalações do dique ou se seriam colocadas no mercado a encomenda de lotes de duas ou três unidades cada.

Outra dúvida da equipe de engenharia da Petrobrás é se os contratos devem realmente ser de FPSOs ou de unidades semelhantes que também possuem uma sonda acoplada. A necessidade dessa sonda é porque as áreas perfuradas sob a camada de sal sofrem forte pressão lateral, que por vezes fecha os poços e exige perfurações constantes.

"Pode ser uma encomenda mista, que abrigue os dois tipos de embarcações", disse o gerente para a área do pré-sal da Petrobrás, José Formigli, na semana passada.

Leia mais sobre as licitações da Petrobras

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.