Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Petrobras: caso não haja petróleo, estatal será ressarcida

O governo terá de ressarcir a Petrobras caso não haja descoberta de reservas comerciais nos blocos que serão cedidos no processo de capitalização

AE |

selo

O governo terá de ressarcir a Petrobras caso não haja descoberta de reservas comerciais nos blocos que serão cedidos no processo de capitalização. Essa é uma das cláusulas do contrato que será assinado entre a estatal e a União para transferência de 5 bilhões de barris do pré-sal ao custo de R$ 74,8 bilhões. A Petrobras terá quatro anos para explorar as áreas, buscando a confirmação das reservas projetadas. O plano de exploração prevê perfuração de pelo menos sete poços nas áreas da cessão onerosa, além da possibilidade de outras perfurações e testes de longa duração. Outros dois anos poderão ser concedidos. No fim desse prazo, governo e Petrobras reavaliam os preços pagos pela estatal e fazem um acerto de contas ou ressarcimento, em caso de fracasso na exploração. O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, não quis adiantar o volume de investimentos para o desenvolvimento de todas as áreas, mas disse que as premissas apontam para aportes entre US$ 4,71 por barril em Franco e US$ 10,5 por barril em Iara Entorno. Nesse caso, confirmado o reservatório de 3,1 bilhões de barris em Franco, o investimento na produção apenas nesse projeto seria de US$ 14,6 bilhões. Questionado sobre a falta de recursos para investimento desse porte, Gabrielli disse que a estatal ainda tem pelo menos quatro anos para avaliar o tema.

Leia tudo sobre: ECONOMICO-ECONOMIA

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG