Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Pessimismo persiste e bolsas européias fecham em baixa de mais de 2%

SÃO PAULO - As bolsas européias encerraram a última sessão da semana com novas baixas. Papéis de bancos tecnologia e de petrolíferas lideraram o movimento negativo do pregão. As preocupações dos investidores com a desaceleração econômica global ganharam reforço hoje com os dados de desemprego nos Estados Unidos, divulgados hoje.

Valor Online |

Em Londres, o FTSE-100 fechou com queda de 2,26%, para 5.240 pontos. O DAX, de Frankfurt, cedeu 2,42% e terminou com 6.127 pontos. Em Paris, o CAC 40 encerrou aos 4.196 pontos, com desvalorização de 2,49%.

Entre os destaques na ponta negativa figuraram as ações da finlandesa Nokia, que caíram 9,55% no índice de Helsinque após a empresa avisar que sua participação no mercado de celulares no terceiro trimestre deste ano pode ficar abaixo da fatia obtida nos três meses imediatamente anteriores. Segundo a empresa, o mercado será afetado pela baixa confiança dos consumidores em vários mercados.

Ainda no setor de tecnologia, as ações da STMicroeletronics acentuaram a baixa hoje em 5,57% devido à baixa da recomendação dos papéis pelo UBS, de neutro para venda. Segundo o banco, indicadores das últimas semanas têm apontado números negativos no mercado de semicondutores.

Nos Estados Unidos as bolsas também recuaram após a divulgação de fechamento de 84 mil postos de trabalho em agosto, mais do que as 75 mil vagas estimadas pelo mercado. A taxa de desemprego, por sua vez, aumentou de 5,7% em julho para 6,1% no mês passado, a maior taxa em cinco anos. O conjunto de números reforçou a avaliação de fraqueza da maior economia do mundo.

As ações do setor bancário, que já tinham puxado as perdas na região nos últimos dias, voltaram a cair nesta jornada. As ações do Anglo Irish Bank caíram 6,45% e as do Allied Irish Banks perderam 5,73% em Londres após o Deutsche Bank reduzir a recomendação dos papéis de compra para mantenha. Os papéis do Royal Bank os Scotland declinaram 3,51% no mesmo mercado e os do inglês Barclays cederam 3,64%.

O movimento ocorre após o Banco Central Europeu (BCE) ter decidido ontem pela manutenção do juro básico da região em 4,25% e avisar que o crescimento do PIB da União Européia deve ser menor do que o esperado antes. Jean-Claude Trichet, presidente do BCE, avalia que as turbulências financeiras que começaram no ano passado e o aumento nos preços das matérias-primas dos últimos anos criaram um ambiente muito desafiador para as autoridades monetárias.

As ações do francês Societe Generale perderam 2,44% após o Lehman Brothers reduzir a avaliação dos papéis de acima da média para em linha. A financeira Natixis também sofreu a mesma reavaliação e seus papéis declinaram 4,53% na bolsa francesa.

Também chama atenção a queda de 5,74% nas ações da ArcelorMittal, após a empresa informar que baixará os preços praticados na África do Sul pela primeira vez neste ano. A petroleira Shell viu suas ações caírem 2,91% em Londres e os papéis da francesa Total declinaram 5,07%, devido à baixa dos preços do petróleo.

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG