Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Pessimismo com futuro do pacote derruba as bolsas

As incertezas sobre o pacote de socorro ao sistema financeiro dos Estados Unidos foram novamente a justificativa para mais um dia negativo no mercado acionário mundial. Em Nova York, o Índice Dow Jones perdeu 1,47% e a bolsa eletrônica Nasdaq, 1,18%.

Agência Estado |

A queda acumula do Dow Jones nos últimos dois pregões é a maior desde 2002. O Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) recuou 3,78%. Na Europa, o CAC-40, de Paris, desvalorizou 1,98% e o FTSE-100, de Londres, 1,91%.

Embora o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Ben Bernanke, e o secretário do Tesouro, Henry Paulson, tenham defendido a proposta de resgate de US$ 700 bilhões em depoimento a um comitê do Senado, os integrantes do Congresso mostraram resistências. Além disso, prosseguem as dúvidas sobre se o pacote contribuirá para a recuperação da economia.

"As pessoas querem ouvir novidades concretas sobre o plano", disse Joe Saluzzi, analista da Themis Trading. "Parece que eles ainda têm algum trabalho pela frente. Isso nos traz mais incerteza, e uma coisa que Wall Street odeia é incerteza."

Das 30 componentes do Dow Jones, 27 ações fecharam em queda (as exceções foram American Express, que avançaram 2,65%, Intel, com ganho de 0,70% e Microsoft, com valorização de 0,16%). Em meio às incertezas sobre a economia, as ações da General Motors caíram 7,43% e as da General Electric perderam 4,59%.

As ações dos setores de metais, petróleo e outras commodities estavam entre as que mais caíram, em reação à retomada do movimento de queda dos preços das commodities (Alcoa perdeu 4,51% e ExxonMobil, 1,51%).

"Claramente, até agora, o plano de Paulson não fez muito para aliviar os temores quanto ao setor financeiro e aos mercados em geral", disse o estrategista Ira Jersey, do Credit Suisse. "A aversão ao risco que vimos na semana passada está voltando a nos assombrar e isso provavelmente vai continuar até o fim do trimestre."

Em Chicago, no fim da tarde de ontem, os contratos futuros de taxa básica de juros dos EUA para novembro projetavam uma probabilidade de 58% de que o Fed reduza a taxa de 2% para 1,75% na reunião de 28 e 29 de outubro. Na segunda-feira, essa projeção estava em 34%. Essa mudança indica que os investidores temem, cada vez mais, uma recessão nos EUA.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG