Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Perda de empregos pode ser recuperada em 2009, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva demonstrou otimismo quanto aos rumos futuros do mercado de trabalho no País. Durante a 2ª Cúpula Empresarial Brasil-União Européia, o presidente Lula foi questionado sobre a perda de 40,8 mil vagas em novembro, segundo dados do Caged divulgados ontem.

Agência Estado |

 

Ele argumentou que de janeiro de 2007 a outubro de 2008 o mercado de trabalho brasileiro contou com um acréscimo de 4 milhões de pessoas ocupadas e somente nos primeiros dez meses deste ano foram registrados 2,2 milhões de novos trabalhadores com carteira assinada no Brasil.

O presidente Lula afirmou que essa perda de vagas poderá ser recuperada a partir de 2009 por meio de novas vagas criadas pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e por outros programas que podem vir a ser anunciados pelo governo. "A crise não se resolve com choradeira nem com pessimismo e sim com investimento e com trabalho, e isso é o que eu vou continuar fazendo porque eu acredito no potencial do Brasil", afirmou o presidente.

Lula lembrou que, quando a crise financeira internacional intensificou seus efeitos negativos no quarto trimestre deste ano, o Brasil foi um dos primeiros a divulgar medidas que pudessem conter o impacto da crise sobre a economia real. Na avaliação do presidente, o País é um dos mais preparados do mundo para enfrentar essa crise.

Lula argumentou que a perda de postos de trabalho pode ter sido influenciada pelo recuo na oferta de crédito no mercado doméstico. O presidente lembrou que cerca de 30% do crédito usado no País é captado no mercado internacional, que sofreu um forte recuo na oferta de financiamentos.

Também presente ao evento, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, não quis comentar o cenário de emprego no Brasil, porque não está familiarizado sobre o tema. Entretanto, Sarkozy disse que a França já está preocupada com o impacto negativo que a crise pode ter sobre o mercado de trabalho francês.

Leia mais sobre crédito

Leia tudo sobre: emprego

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG