WASHINGTON (Reuters) - Os pedidos de auxílio-desemprego caíram em 58 mil na semana passada, número muito maior do que o esperado, e ficaram em 346 mil em cálculo com ajuste sazonal, informou o Departamento de Trabalho. Foi a maior baixa semanal desde setembro de 2005 e o menor resultado desde a semana encerrada em 19 de abril.

Analistas ouvidos pela Reuters previam que os pedidos ficassem em 395 mil na semana encerrada em 5 de julho, contra 404 mil na semana anterior.

Um membro do Departamento de Trabalho disse que o indicador é volátil nessa época do ano por causa da interrupção das operações nas fábricas de automóveis, e a queda inesperada desta semana pode ser compensada pelo aumento dos pedidos nas próximas semanas.

A média quadrissemanal, indicador que traduz melhor a tendência do mercado de trabalho por diminuir a volatilidade semanal, caiu de 390.500 para 380.500.

O número de pessoas que recebem o benefício há mais de uma semana subiu para 3,2 milhões na semana encerrada em 28 de junho, bem acima das expectativas.

Foi a décima-primeira semana seguida em que esse dado ficou acima de 3 milhões de pessoas, em um sinal de que a desaceleração econômica está dificultando a busca por empregos.

(Reportagem de Doug Palmer)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.