Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

PDVSA anuncia a compra de quatro destilarias de álcool da Dedini

Ribeirão Preto, SP, 02 - A estatal petrolífera venezuelana Petróleo de Venezuela S.A.

Agência Estado |

(PDVSA) anuncia hoje, no Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria Sucroalcooleira (Simtec), em Piracicaba (SP), a aquisição de quatro destilarias de etanol da Dedini Indústrias de Base S.A.. Segundo o diretor de exportação da Dedini, Antonio Carlos Pereira, serão as primeiras unidades para a produção de álcool combustível na Venezuela, já que as destilarias existentes fabricam o produto para outros fins. Os valores do negócio não foram divulgados.

O acordo entre PDVSA Agrícola e a companhia brasileira prevê o fornecimento das plantas industriais com capacidade de produção de 700 mil litros por dia de etanol por dia cada uma a serem entregues em até 17 meses nos estados de Barinas, Portuguesa, Cojedes e Trujillo.

Em 2007, a Dedini entregou para a estatal venezuelana uma planta piloto que produz 25 mil litros de etanol por dia, considerado o embrião do Projeto Etanol da PDVSA. A estatal planeja tornar a Venezuela auto-suficiente na mistura de 10% de etanol à gasolina, em substituição ao solvente tetraetila de chumbo, poluente e tóxico. Atualmente, o etanol misturado à gasolina é importado.

O projeto de desenvolvimento agroindustrial na Venezuela deve estar totalmente implantado em 2012, com 14 destilarias no país. Está prevista a geração de 800 mil empregos diretos e indiretos e a produção de 20 mil barris diários de etanol a partir de 300 mil hectares de cana plantada. Cada unidade fará parte de complexos agroindustriais com a produção de rações animais para bovinos, suínos, aves e peixes, além dos derivados da indústria sucroalcooleira.

Capacidade

Segundo o diretor de exportação da Dedini, as unidades já contratadas pela PDVSA têm capacidade de processar 2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por safra e podem ser consideradas grandes para aquele país, apesar de serem de médio porte no Brasil, maior processador de cana do mundo.

Pereira espera que a companhia brasileira seja a fornecedora também das outras dez destilarias previstas. "Após o trabalho de análise fomos escolhidos para essas unidades e esperamos continuar com o fornecimento", afirmou o executivo. Principal indústria de base do setor sucroalcooleiro, a Dedini fatura R$ 1,5 bilhão por ano, com 10% deste valor em exportações.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG