Tamanho do texto

Brasília, 4 nov (EFE) - O Governo brasileiro reduziu a previsão de crescimento econômico do país para 2009 entre 0,7% e 0,8%, até 3,7%, por causa da crise internacional, informou hoje o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo.

O ministro afirmou que os cálculos podem mudar até 21 de novembro, quando o Executivo apresentará os dados oficialmente ao Congresso, mas admitiu que serão sensivelmente inferiores aos anteriores, que apontavam para um crescimento de 4,5% para o ano que vem.

Bernardo explicou que o Estado deixará de arrecadar cerca de R$ 9 bilhões tanto por efeito da interrupção do crescimento quanto pela baixa do preço do petróleo.

Na semana passada, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, advertiu de que o Governo poderia formular uma "política anticíclica" cujo objetivo será manter o crescimento econômico através do incentivo dos investimentos públicos, que são o eixo do segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na prática, essa política poderia se traduzir em uma revisão à queda da meta de superávit fiscal primário, a poupança das contas públicas utilizada para pagar os juros da dívida, a fim de manter o ritmo de obras públicas. EFE mp/db