Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Paulo Bernardo diz que governo pode adiar reajuste de servidores

BRASÍLIA - O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, admitiu que o governo poderá adiar o escalonamento dos salários dos servidores públicos. O ministro deixou claro que não é uma medida já definida, mas que poderá ser uma das decisões a ser tomada com o objetivo de conter gastos do governo com o custeio da máquina diante da situação de crise financeira.

Valor Online |

O cancelamento de concursos públicos, que já estavam previstos também, é outra forma apontada pelo ministro para diminuir os gastos com custeio.

Paulo Bernardo fez essas afirmações em entrevista ao programa Três a Um, que a TV Brasil exibe hoje (15) às 22h, no canal 2 da TV aberta para as cidades de Brasília, Rio de Janeiro e São Luís. Para outras localidades e para acesso via cabo ou satélite, entre no site da TV Brasil e clique em "sintonizar", na barra inferior.

O ministro disse que não tem como prever se o governo precisará enviar ao Congresso Nacional novos parâmetros para basear o Orçamento Geral da União (OGU) para 2009. "Temos um cenário ainda muito indefinido. Não dá ainda para saber se teremos uma redução de receita, o preço do dólar, do barril de petróleo, fatores que influenciam na definição dos parâmetros", disse o ministro
Paulo Bernardo disse ainda que, se for preciso, o governo poderá fazer cortes no Orçamento. O ministro descartou a possibilidade de mexer nas obras sociais do governo e do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). "Tirando o PAC e os programas sociais podemos cortar em qualquer lugar. Um corte de R$ 1 bilhão no Orçamento da União pode parecer muito, mas não é. Pode-se cortar R$ 1 bilhão de forma linear e se percebermos que uma despesa ficou muito prejudicada podemos fazer um recomposição", explicou o ministro.

O ministro disse ainda que o governo já vem evitando gastos com a implementação do pregão eletrônico, além de diminuir também gastos com viagens, passagens e com o cartão corporativo.

"O que a gente tem feito é melhorar a gestão, ou seja, melhorar a qualidade dos gastos. É fazermos a mesma coisa com um gasto menor ou fazermos mais coisas com o mesmo gasto", destacou Paulo Bernardo.

(Agência Brasil)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG