Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Patrimônio dos fundos de pensão cresce 14,1% em 2009, aponta Previc

BRASÍLIA - Balanço divulgado hoje pela Previc aponta que o patrimônio das 370 entidades fechadas de previdência complementar do país subiu 14,1%, para R$ 501,68 bilhões no ano passado, ante R$ 439,64 bilhões em 2008. Os investimentos somaram R$ 480,79 bilhões, com alta de 9,4%.

Valor Online |

As contribuições dos 2,53 milhões de participantes da indústria de fundos de pensão somaram R$ 16,66 bilhões, retração de 36% sobre os R$ 26,04 bilhões do ano anterior. E os benefícios pagos foram no valor de R$ 31,46 bilhões, também com queda de 3,2% sobre 2008.

A recuperação do mercado acionário em 2009 ajudou a minimizar parte das perdas dos fundos de pensão com a crise internacional de 2008, contribuindo, inclusive, para que 82 planos de benefício definido fechassem o exercício com R$ 66,72 bilhões em superávit. Mas não impediu que outros 62 ficassem deficitários em R$10,72 bilhões.

Ricardo Pena, titular da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), citou como exemplo de entidade deficitária o Instituto Portus, patrocinado pelas Docas dos principais portos marítimos do país. O déficit do Portus chega a R$ 1,4 bilhão.

"É um déficit que não se resolve. Se não resolver, vai caminhar para regime especial", comentou Pena, sinalizando intervenção ou liquidação futura da entidade.

Exemplo de fundação superavitária é a Previ, dos funcionários do Banco do Brasil e a maior do país. Só a Previ acumulou superávit em torno de R$ 40 bilhões.

Pena disse que ao contabilizar R$ 3 bilhões do superávit da Previ como receita em seu balanço de 2009, o BB como patrocinador segue a Deliberação 600 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"O Banco do Brasil pode lançar sua parte como receita, ou melhor, a metade do superávit do ano, embora o dinheiro não saia da Previ", comentou o supervisor do sistema.

Ele disse ainda que há regras determinando que tanto o prejuízo como o superávit sejam divididos em três anos, em partes iguais a participantes e patrocinadores.

(Azelma Rodrigues | Valor)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG