Tamanho do texto

O Accord é mais barato que o Passat, mas sua lista de equipamentos de série fica devendo à do Passat. Mesmo assim, o sedã da Honda traz o essencial para um modelo desse segmento: bancos de couro, ar-condicionado com duas zonas de resfriamento, seis air bags e toca-CDs com leitor de arquivos MP3, entre outros.

Além dos itens acima, o Passat oferece faróis com fachos adaptáveis, freio de "mão" acionado por botão no painel, chave do tipo cartão e sensores de estacionamento. Este último recurso faz falta ao Honda, que tem quase 5 metros de comprimento. E nem adianta querer instalar o item "por fora", pois há risco de perder a garantia de fábrica. Um computador de bordo também cairia bem.

Por outro lado, é interessante o recurso de anulação de ruído disponível nesta versão do Accord. O sistema funciona de forma semelhante a alguns fones de ouvido, utilizando um microfone para captar freqüências e emitir ondas idênticas contrárias, pelo equipamento de som.

O resultado é muito silêncio a bordo. Só pelo conta-giros se percebe o motor funcionando em viagens, quando ele marca 2.500 rpm com o carro a 120 km/h.

Por ter seis marchas, o Passat consegue andar ainda abaixo dessa faixa, em torno de 2.300 rpm, à mesma velocidade. É mais ruidoso, mas seu motor tem ronco esportivo. Por isso, agrada.

Em cotações de peças de reposição, as do Accord têm preço bem inferior. Jogo de velas, por exemplo, pode sair por R$ 120 a menos. Apenas o farol dianteiro é mais barato no Passat.

Os valores das apólices de seguro são próximos, mas a franquia do Passat sai muito cara (chegou a R$ 11.170 numa cotação).