Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Pascal Lamy diz que países em desenvolvimento ganharam voz na rodada de Doha

Manila, 4 ago (EFE).- O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy, afirmou que as negociações da rodada de Doha em Genebra, apesar do fracasso, demonstraram que os países em desenvolvimento ganharam voz dentro do órgão multilateral, informou nesta segunda a imprensa local.

EFE |

Os 153 países-membros da OMC não chegaram a um acordo na última terça após nove dias de reuniões, pois as potências comerciais (Austrália, Brasil, China, Estados Unidos, Índia, Japão e União Européia) não conseguiram estabelecer um pacto sobre como realizar a liberalização do comércio mundial.

Lamy disse ao jornal local "Business World" que os países devem começar agora o processo de expor suas diferenças para encontrarem "novas idéias e soluções".

O diretor da OMC se mostrou otimista com o futuro do comércio internacional, embora tenha reconhecido as profundas diferenças entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento sobre como e o quanto abrir os mercados agrícolas e industriais, assim como com relação à redução dos subsídios nos países ricos.

"Ainda vale a pena lutar pela rodada de Doha, mas os países têm que dar um passo atrás para dar dois para frente", declarou.

Os países em desenvolvimento contam com três quartos do total da OMC, "por isto não é uma surpresa que suas vozes e presenças sejam notadas fortemente na organização", declarou Lamy.

"Pela primeira vez os países em desenvolvimento foram envolvidos em todos os passos do processo de negociação, através das contribuições de coalizões como o G20 ou o G33 (grupos dos países em desenvolvimento)", continuou.

Lamy afirmou que as negociações de Doha "ganharam mais importância agora com o aumento dos preços dos alimentos e com as turbulências nos mercados financeiros".

"Estivemos muito perto de alcançar um acordo. Eu acho, pessoalmente, que poderia haver outra chance e penso que os membros sabem agora que deveriam aproveitar a oportunidade logo", acrescentou. EFE grc/fh/fal

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG